Boi gordo: tendência de preço pago ao produtor pode mudar

Boi gordo: tendência de preço pago ao produtor pode mudar

PARTILHAR
Foto: Governo de Mato Grosso

Contudo, de acordo com a Radar Investimentos, apesar do cenário de pandemia, o setor da pecuária no Brasil não sofreu grandes impactos!

Apesar do cenário de pandemia mundial causada pela Covid-19, o setor da pecuária no Brasil não sofreu grandes impactos, afirmou o sócio-diretor da Radar Investimentos, Leandro Bovo. “O impacto nos preços preços até agora foi mínimo diante do tamanho do desafio que a economia está enfrentando, a queda nos preços foi praticamente zero. Estamos navegando nas águas turbulentas da melhor forma possível”, afirmou o especialista. 

De acordo com Bovo, o motivo do bom resultado está atrelado a redução estrutural de ofertas. “Se analisarmos o dados de abates desde janeiro, houve uma redução significativa, ou seja, estamos diante de uma redução estrutural de ofertas, o que também chamamos de virada do ciclo pecuário”, explica ele. 

Contudo, o especialista também alerta que a tendência de preços pago ao produtor pode mudar nos próximos meses.

“É  natural ter no fim de safra mais ofertas, também pela seca como é caso de Mato Grosso do Sul e em São Paulo, já existe uma pressão um pouco maior de baix. Também que é natural que se houver um componente de retenção e animais por conta do pecuarista, esses animais terão que ir para o mercado entre maio e junho, e isso deve causar algum componente de pressão por conta da oferta”, diz Bovo. 

“Do lado da demanda, estamos muito bem é por conta china, que exportação está alta e o dólar que também está favorecendo o pecuarista”.

Escalas de abate em SP aumentam para 7 dias em média, mas demanda firme por carne reduz pressão na arroba

No estado de São Paulo, as programações de abate tiveram um aumento e atende uma média de sete dias úteis devido ao aumento da desova de animais. Por outro lado, o volume exportado de carne bovina in natura registrou uma queda de 7% no mês de abril se comparado com o mês de março.

De acordo com o Analista de mercado da Scot Consultoria, Thayná Drugowick, o mercado do boi gordo segue estável diante do isolamento da população. “Nós estamos acompanhando e observamos que a arroba do boi gordo está se mantendo estável. No fechamento desta terça-feira (05), a arroba está cotada a R$ 192,00/@, a vista e livre do funrural”, comenta.

A expectativa é que os preços melhorem na próxima semana com o recebimento dos salários da população e com a comemoração do dias das mães pode ajudar no consumo. “Os preços devem continuar estáveis em virtude dessa demanda, mas quando esse cenário passar a pressão da oferta vai reduzir os valores negociados para a arroba”, aponta.

O mês de abril encerrou com o volume embarcado de 116,2 mil toneladas de carne in natura, porém na serie história o mês de abril sempre registra queda nas exportações. “Apesar desse recuo frente ao mês anterior, nós tivemos um aumento de quase 3% frente ao observado no ano anterior e esse valor foi considerado recorde para o mês de abril”, destaca.

Para o mês de maio, Drugowick ressalta que as exportações vão continuar com bons ritmos para suprir a demanda de alguns países. “Outro fator é o dólar valorizado que torna o nosso produto mais competitivo no mercado externo”, conclui.

Fonte: Notícias Agrícolas e Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com