Boi tem nova alta, milho e soja tem estabilidade, veja!

PARTILHAR
Veja a correlação dos preços de milho, soja, leite e boi
Foto: Montagem CompreRural

Dia de estabilidade nos preços dos grãos, sem Chicago como referência; Já o Boi Gordo segue com preços firmes e valorização na B3; Confira as notícias!

O dia foi de estabilidade para o preço do milho no Brasil. A alta vertiginosa das últimas semanas afastou os compradores, que, com a manutenção das cotações na casa dos R$ 84,50/sc, se mantem distantes de novas compras. A oferta escassa dificulta a desvalorização do cereal no Brasil. Na B3, o dia foi de alta, o contrato para março/21, que agora se tornou referência, fechou o dia com alta de 1,09%, cotado a R$ 89,16/sc.

A redução vertiginosa da oferta continua a acometer os embarques de milho brasileiro para fora do país. Com cerca de 601,88 mil toneladas exportadas na 2ª semana de janeiro/21 (6% a menos que na 1ª semana), a média diária exportada no mês caiu 3% em relação a semana retrasada, estabelecendo-se em 124,32 mil toneladas/dia.

Cabe a ressalva que apesar da piora nos embarques nas últimas semanas, a média diária do mês de janeiro/21 está 30% maior que no mesmo período do ano passado.

Boi gordo

Segunda-feira de avaliação de mercado pós final de semana. Enquanto o boi gordo segue firme, com as escalas encurtadas e preços em ascensão, a carne bovina no atacado fica atenta as movimentações governamentais em São Paulo com mudanças tributárias acontecendo. O mercado físico firma os R$ 290,00/@, mas querendo buscar os R$ 295,00/@ em São Paulo. Na B3, o vencimento mais líquido (janeiro/21) fechou o dia com alta de 0,93%, cotado a R$ 292,45/@, batendo mais um recorde.

Com um desempenho muito fraco na segunda semana do mês de janeiro/21, as exportações de carne bovina observaram sua média diária desacelerar 26% no comparativo com a semana inicial deste mês. Foram 19,83 mil toneladas de proteína bovina embarcadas no acumulado da 2ª semana do mês, 51% a menos que na primeira semana, levando a média diária à 6,05 mil toneladas.

Ainda que seja 13,82% maior que a média observada durante o mesmo período do ano passado, este fraco desempenho da 2ª semana coloca em “xeque” o possível recorde que seria batido

Soja

Com a bolsa norte-americana fechada, graças ao feriado nos EUA, e o dólar estagnado no Brasil, a cotação da soja em solos tupiniquins permaneceu estável, tendo como referência em Paranaguá/PR os R$ 170,00/sc. Cabe a ressalva de que a colheita já se iniciou no país, no entanto, já dá sinais de atraso, para se ter uma ideia, em Mato Grosso, o Imea divulgou que 0,80% da área plantada já foi colhida, 5,07 p.p. a menos que no mesmo período do ano passado.

Praticamente sem oferta no mercado interno, as exportações de soja seguiram lentas na 2ª semana do mês. Foram 17,50 mil toneladas embarcadas na última semana, fazendo finalmente o contador dos embarques de oleaginosa sair do “zero” no Brasil.

Ainda assim, a média diária embarcada no mês está em 1,75 mil toneladas, 86% menor que em dezembro/20 e 97% menor que em janeiro/20.

Fonte: Agrifatto

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.