Carnes: alta no exterior, mas caem no mercado interno

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Embora o país tenha reduzido um pouco o volume exportado, a demanda externa não permite queda nos preços internacionais, à exceção na carne suína.

O Brasil perdeu o ritmo das exportações de carnes “in natura” no mês passado, em relação a igual período do ano anterior. Apesar de uma desaceleração nos volumes, as receitas continuam crescentes para os exportadores, conforme os dados divulgados pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior), nesta segunda-feira (1º). 

As exportações de carne bovina mantêm um bom volume, repetindo o patamar de 167 mil toneladas de julho de 2021. Já as de suínos tiveram retração de 5%, recuando para 87,91 mil toneladas.

As vendas externas de carne de frango também perderam ritmo no mês passado, em relação a igual período anterior. Os dados da Secex indicam exportações de 377,1 mil toneladas da proteína “in natura”, 3,6% abaixo do volume de julho de 2021. 

Embora o país tenha reduzido um pouco o volume exportado, a demanda externa não permite queda nos preços internacionais, à exceção nos valores de negociação da carne suína.

A desaceleração das compras da China fez o valor médio desta proteína recuar para US$ 2.381 por tonelada no mês passado, 4,6% a menos do que em julho de 2021.

Já a carne de frango teve valorização de 30% no período, subindo para US$ 2.237 por tonelada. A de boi foi a US$ 6.549, com aumento de 20% em 12 meses. 

No mercado interno, as carnes começam a perder preço, à exceção da suína que, devido a uma oferta menor e retomada das exportações, interrompeu a tendência de queda. Em julho, a alta foi de 2% para os consumidores. 

Conforme pesquisa da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), a bovina teve queda de 0,5%, e a de frango subiu 1%, um ritmo de alta inferior ao registrado nas semanas anteriores.

Fonte: Folha de S. Paulo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com