China deverá comprar mais carne bovina dos EUA, e agora?

China deverá comprar mais carne bovina dos EUA, e agora?

PARTILHAR
Foto Divulgação.

China está comprando mais carne bovina dos EUA este ano, e mais empresas chinesas estão perguntando sobre a carne bovina dos EUA. E agora?

Por Greg Bloom

Há muitas notícias sobre a China no ano passado que foram amplamente negativas: guerras comerciais, proibições de TikTok – e, é claro, a China como originadora do vírus COVID-19.

Mas, discretamente, a China está comprando mais carne bovina dos EUA este ano, e mais empresas chinesas do que nunca estão perguntando sobre a carne bovina dos EUA.

Prevejo que a China se tornará o maior comprador de carne bovina dos EUA nos próximos 60 meses e, nos próximos anos, será o maior cliente de exportação dos EUA.

Há três anos, e novamente no ano passado, estive na China, reunindo-me com clientes em potencial. Aprendi que a China nunca poderá produzir carne bovina de animais alimentados grãos como fazemos aqui nos EUA. Carne de frango, sim. Carne de porco, sim. Mas não carne bovina de animais alimentados com grãos, não.

A China produz alguma carne bovina doméstica, mas não da mesma qualidade da carne bovina dos Estados Unidos; e, portanto, a China depende das importações para atender à demanda sempre crescente por proteína bovina premium.

Existem outras razões pelas quais a China se tornará o maior cliente da carne bovina dos EUA nos próximos 60 meses:

  • A recuperação econômica da China é mais rápida do que o esperado e robusta. Sua economia está indo muito bem agora.
  • A crescente classe média da China continuará a demandar e consumir mais carne bovina.
  • A Austrália, que fornece muita carne para a China, está lutando contra a seca e problemas de produção. O número de abates de gado caiu 30% no acumulado do ano nas últimas semanas.
  • A China continuará a impulsionar o crescimento do comércio mundial de carne. Este ano, a China responde por 36% de todo o comércio mundial de carne e a quantidade é 26% maior que no ano passado.
  • O marketing em feiras de alimentos na China agora é completamente normal. A maior feira gastronômica do mundo, SIAL China (a sigla significa “food and drink fair” em francês), aconteceu em setembro, com uma estimativa de 2.200 exposições e 60.000 participantes.
  • Até agora, nem todos os nossos principais frigoríficos estão vendendo para a China. Prevejo que, depois de verem o sucesso contínuo das exportações para a China, aqueles que estão mantendo a postura de esperar para ver sairão da bancada.

De acordo com um relatório da Federação de Exportação de Carne dos Estados Unidos (USMEF) publicado neste verão, “Desde sua implementação em março, o Acordo Econômico e Comercial de Fase 1 entre os EUA e a China gerou um crescimento na demanda chinesa por carne bovina dos EUA. As exportações de julho foram recordes com 2.350 toneladas, um aumento de 160% em relação ao ano anterior, avaliadas em US $ 14,9 milhões (alta de 92%).

“Até julho, as exportações ficaram 95% acima do ritmo do ano passado em volume (9.262 toneladas) e 82% acima em valor (US $ 68,9 milhões).”

Em 2019, os maiores compradores de carne bovina dos EUA no mundo, classificados pela quantidade comprada, segundo o USDA, foram Japão, Coreia do Sul, Canadá, México, Hong Kong, Taiwan e China. A China continental ficou em sétimo lugar. Em 2022, acredito que veremos a China ultrapassar de longe o Japão como o destino número 1 para a carne bovina dos EUA.

Os desafios permanecem

Esta grande oportunidade também apresentará alguns desafios. Os compradores chineses estão procurando determinados cortes processados ​​de maneiras específicas que atendam às necessidades do mercado chinês único. Por exemplo, a China não consome muita carne moída como fazemos nos EUA, então não venderemos toneladas de hambúrguer lá.

Além disso, as cozinhas domésticas chinesas são bastante diferentes das nossas. Eles não têm grandes fornos abaixo do balcão ou churrasqueiras no deck externo. Os consumidores chineses não comprarão assados ​​ou bifes para cozinhar em casa.

Como seus hábitos de consumo de carne bovina são bastante diferentes, descobri que os compradores chineses estão relutantes em pagar os altos preços pelas carnes médias, mas estão procurando cortes finais mais baratos.

Na China continental, toda carne bovina importada deve ter rótulos em cada embalagem em chinês e inglês. Não apenas uma etiqueta de caixa como esta: cada pacote dentro da caixa também deve ser etiquetado. Visitei um enorme mercado atacadista de carne em Pequim e testemunhei em primeira mão por que isso acontecia.

A carne é vendida à peça, congelada – até mesmo para operadores de food service e atacadistas. A qualidade da carne também é diferenciada pela planta de origem do USDA, e os compradores experientes procuram por números de plantas do USDA que conhecem e dos quais dependem para uma carne consistente de alta qualidade.

Em minhas viagens para a China, comi carne bovina dos EUA servida em restaurantes e hotéis. Como era de se esperar, a carne foi servida em fatias finas em panelas quentes ou pratos fritos. Em uma churrascaria em Pequim, comi tendões de carne e pedaços de miúdos servidos em espetinhos.

É raro para um consumidor chinês desfrutar de um bife em um restaurante estilo churrascaria, embora essas ofertas estejam aumentando para a classe média alta e classes altas.

Fonte: Artigo de Greg Bloom para a BEEF Magazine, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com