China exige declaração de que os alimentos exportados são isentos de Covid-19

China exige declaração de que os alimentos exportados são isentos de Covid-19

PARTILHAR

Pequim começou a testar alimentos importados para o coronavírus após um surto no mercado atacadista de alimentos na semana passada.

A autoridade aduaneira da China pediu que os exportadores de alimentos ao país assinem uma declaração de que seus produtos não estão contaminados pelo novo coronavírus, informou a agência Reuters, com base em relatos de  pessoas que receberam uma carta nesta sexta-feira.

A declaração, vista pela Reuters, pode ser um esforço da China para reduzir os testes adicionais realizados em alimentos importados na última semana e responsabilizar os exportadores por garantir a segurança de seus produtos, afirmou um importador de carne que assinou. Ele se recusou a ser identificado devido à sensibilidade do problema. A associação francesa da indústria de suínos Inaporc também recebeu o aviso, disse uma autoridade.

A Administração Geral das Alfândegas da China não respondeu imediatamente a um fax solicitando comentários.

A declaração diz que o exportador está disposto a cumprir as leis chinesas e também orientações da Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO), das Nações Unidas, para garantir que os alimentos importados pela China não sejam contaminados pelo vírus que causa a COVID-19.

“No caso de um novo caso/caso suspeito de Codiv-19 ser detectado em uma empresa de alimentos, ou se houver risco de contaminação de produtos alimentícios exportados para a China, estamos dispostos a tomar todas as medidas necessárias para eliminar os riscos de segurança alimentar e proteger a saúde do consumidor “, acrescenta.

Pequim começou a testar alimentos importados para o coronavírus após um surto no mercado atacadista de alimentos na semana passada. Em Tianjin, o principal porto de Pequim, as autoridades estão testando todos os contêineres de carne, disseram os importadores. Mais de 30 mil amostras de carne, frutos do mar, legumes e frutas foram testadas entre os dias 11 e 17 de junho.

Todos tiveram resultado negativo para o coronavírus, segundo a alfândega na quinta-feira. “É muito caro e demorado testar todos os produtos. Eles estão pedindo aos fornecedores que assinem esta carta para que voltem ao normal”, disse o exportador de carne. Quanto peso a declaração terá, no entanto, não está claro. “Se qualquer remessa tiver Codiv-19, ela será destruída de qualquer maneira, com ou sem a carta”, disse outro fornecedor de carne que não a assinou.

Fonte: Reuters

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com