China faz pressão por teste de Covid nas carnes, e agora?

China faz pressão por teste de Covid nas carnes, e agora?

PARTILHAR
Montagem: Compre Rural

A China espera garantia “desde a origem” para a segurança relacionada à Covid-19 nos alimentos exportados para o país, disse o embaixador no Brasil.

Em reunião fechada com dirigentes de entidades representativas do agronegócio brasileiro, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, afirmou nesta quinta-feira (20/8) que a China espera garantia “desde a origem” para a segurança relacionada à Covid-19 nos alimentos exportados para o país.

De acordo com o diplomata, a China já detectou o novo coronavírus na embalagem “de diferentes lotes de alimentos congelados importados” e “aplicará aos produtos importados as medidas cabíveis de controle sanitário, pautadas nos princípios de contenção rigorosa e racionalidade científica”.

“Nesta fase especial, esperamos contar com a cooperação das exportadoras brasileiras no cumprimento das exigências sanitárias com medidas científicas e rigorosas, garantindo, desde a origem, a segurança dos alimentos exportados. Com isso, os alimentos brasileiros preservarão a imagem de sua marca e reforçarão a confiança dos consumidores chineses”, destacou o diplomata.

Em julho, o Conselho Nacional de Saúde da China publicou uma série de diretrizes para prevenção e controle da Covid-19 na indústria processadora de carne do país. Entre as novas exigências das autoridades chinesas, está um “certificado de teste de ácido nucleico” para Covid-19 dos produtos importados.

Uma semana após o episódio, o Ministério da Agricultura afirmou que não faria qualquer tipo de teste ou emitiria certificado comprovando que a carne brasileira é livre de Covid-19.

“Não tem razão para poder fazer (a testagem na carne) porque as ações de mitigação são tomadas por meio do protocolo, onde as empresas têm feito testes sistemáticos dos seus colaboradores”, afirmou o diretor do Departamento de Temas Técnicos, Sanitários e Fitossanitários do Ministério da Agricultura, Leandro Diamantino Feijó em entrevista a Globo Rural em 31 de julho.

Duas semanas depois, entretanto, o governo chinês emitiu comunicado informando que asas de frango congeladas importadas do Brasil tiveram resultado positivo para Covid-19. O episódio gerou a suspensão temporária das exportações de frango para as Filipinas e das vendas do frigorífico responsável pelo lote contaminado – Aurora de Xaxim (SC) – para Hong Kong. 

om informações do Globo Rural.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com