Cientistas criam leite em laboratório, confira agora!

PARTILHAR

Cientistas conseguiram obter leite com todos os valores nutricionais, saboraroma e textura que todos nós conhecemos, mas em culturas de laboratório.

Uma aliança israelense entre cientistas da Universidade de Tel Aviv e a startup Imagindairy, trabalha para obter leite com todos os valores nutricionais importantes do leite animal, e com o mesmo saboraroma e textura que todos nós conhecemos, mas em culturas de laboratório. Por trás desse desenvolvimento está o Professor Tamir Tuller do Departamento de Engenharia Biomédica da Faculdade de Engenharia da Universidade de Tel Aviv.

O Prof. Tuller explicou que o desafio não é apenas criar um produto completamente novo (e satisfatório), mas também torná-lo acessível ao público por meio de preços pragmáticos promissores.

Junto com o empresário de tecnologia de alimentos Dr. Eyal Iffergan, Tuller criou a startup Imagindairy , que tenta fazer o até então impossível: produzir leite de vaca a partir de fermento. “Nossa startup também inclui engenheiros e especialistas em alimentos da Strauss Company”, disse o professor Tuller.

“Atualmente, eles estão tentando tirar proteínas do leite de levedura e fazer queijo com elas. É um longo processo de melhoria: produtividade, sabor e, claro, preço. Este produto não é um substituto do leite como bebidas vegetais de amêndoa ou soja. Planejamos produzir laticínios que serão idênticos aos produtos que vêm de animais, introduzindo o genoma da levedura, os genes que codificam o desenvolvimento do leite nas vacas”, completou. 

A Imaginedairy tem trabalhado com a Universidade de Tel Aviv por meio da Ramot, a empresa de transferência de tecnologia da universidade. “A tecnologia inovadora do professor Tuller pode revolucionar a indústria de laticínios como a conhecemos”, disse Keren Primor Cohen, CEO da Ramot. 

Por cerca de uma década, o laboratório do professor Tuller na Universidade de Tel Aviv se especializou em modelagem e expressão de genes de engenharia usando simulações biofísicas, modelagem computacional de evolução molecular e aprendizado de máquina. Entre outras coisas, esses modelos são usados para tornar a produção de proteínas heterólogas (proteínas codificadas por genes que vêm de outro organismo) mais eficiente e, portanto, mais econômica.

O trabalho que está sendo feito pelo Prof. Tuller e sua equipe é baseado em uma pesquisa de uma década feita no laboratório do Prof. Tuller em TAU que se concentrou na modelagem e engenharia da expressão gênica usando simulações biofísicas, modelagem computacional da evolução molecular e aprendizado de máquina . Esses modelos, por sua vez, podem ser usados ​​para produzir proteínas heterólogas – proteínas codificadas por genes que vêm de outro organismo – mais eficientes e mais baratas. 

A tecnologia do Prof. Tuller também foi usada no passado para produzir vacinas, medicamentos e até mesmo energia verde, “usando vários organismos, como leveduras, bactérias, microalgas e até vírus”, observou um comunicado de imprensa da TAU. Isso é possível porque “o genoma de cada criatura viva contém genes que codificam a receita para fazer cadeias de aminoácidos que compõem as proteínas”, explica o professor Tuller.  

As informações são do Agrolink. 

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com