Comércio mundial de carne cresceu, mas produção estabilizou

PARTILHAR
carcacas bovinas da raca angus
Foto: Roberto Barcellos

As quedas na produção de carne bovina foram generalizadas fazendo com que a produção mundial caísse em quase um milhão de toneladas; Veja!

A produção mundial de carnes atingiu 337,2 milhões de toneladas em 2020, em patamares semelhantes aos de 2019. O aumento da produção de aves e ovinos compensou as contrações na produção de suínos e bovinos. É o que afirma o relatório sobre a evolução da produção e do comércio mundial de carne em 2020.

Na carne suína, embora a peste suína africana tenha continuado afetando negativamente a produção no Leste Asiático, principalmente China, Filipinas e Vietnã, o setor se recuperou mais rápido do que o esperado, atingindo 109,2 milhões de toneladas.

As quedas na produção de carne bovina foram generalizadas com quedas em todas as principais regiões geográficas, fazendo com que a produção mundial caísse em quase um milhão de toneladas para 71,4 milhões de toneladas. Uma combinação de fatores regionais e específicos do país, variando de disponibilidade limitada de animais para abate (Austrália e Brasil), restrições institucionais na compra e transporte de animais (Índia) e interrupções no mercado relacionadas a covid -19 (União Europeia), empurrou níveis mais baixos de produção de carne bovina.

No setor avícola, embora a produção tenha aumentado, a expansão da produção do setor foi a menor registrada desde 1960, situando-se em 133,26 milhões de toneladas.

As exportações mundiais totais de carne alcançaram 38,7 milhões de toneladas, 5,7% a mais que em 2019, embora mais lentamente do que o crescimento de 7,4% registrado em 2019. As importações da Ásia aumentaram 15,8% para mais de 22 milhões de toneladas, representando 63% das importações mundiais de carne, principalmente devido aos impactos contínuos do peste suína africana na produção de carne suína do Leste Asiático.

Induzidas pelo déficit, as importações de carnes da China aumentaram 57,6%, para 11,7 milhões de toneladas, com a carne suína e de aves crescendo mais. Enquanto isso, as importações da América do Norte, lideradas principalmente pelos Estados Unidos, aumentaram 6,8%, refletindo o crescimento ano-a-ano mais fraco da produção doméstica de carne bovina e de aves do que nos anos anteriores.

As importações de carne de todas as outras regiões (África, América Central e Caribe, Europa, Oceania e América do Sul) diminuíram, refletindo a redução nas vendas de serviços de alimentação, dificuldades econômicas, restrições monetárias e acúmulo de estoques internos.

Muitos países registraram quedas significativas nas importações, incluindo Vietnã, Japão, União Europeia, Emirados Árabes Unidos, República da Coréia, Federação Russa e México. O fato de que 14 dos 20 principais países importadores de carne registraram importações mais baixas em 2020 mostra a natureza generalizada das restrições à importação.

Apesar do ambiente desafiador do mercado de carne global em 2020, os maiores exportadores de carne do mundo, incluindo a União Europeia, os Estados Unidos da América, Brasil, Canadá, Federação Russa e México, enviaram mais carne do que no ano anterior.

Em contraste, a Austrália e a Índia registraram volumes de exportação mais baixos devido a restrições de fornecimento. Em todos os tipos de carnes, o comércio de carne suína cresceu quase 25% e a de aves se manteve estável, enquanto o comércio de carne bovina e ovina diminuiu.

Fonte: Eurocarne, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.