Top 10 Raças de maiores Touros do mundo, vídeo!

PARTILHAR
Foto: Reprodução

Trouxemos uma lista requentada e de grande “tamanho e peso”, já que esses gigantes são as raças de maiores touros do mundo, veja o vídeo abaixo!

A raças de bovinos pelo mundo possuí uma lista vasta com animais que foram sendo adaptados aos climas, manejo e modelo de criação. Inúmeras foram selecionadas para produção de carne ou leite e outras para dupla aptidão. Mas, hoje, iremos abordar as 10 raças de maiores touros do mundo. Confira!

Algumas raças se destacam pela altura, capacidade de deposição de massa muscular e, claro, a altura dos animais. A lista dos gigantes traz grande surpresa para algumas raças e outras são até “bizarras”. Confira agora essa lista especial e o vídeo com imagens dos animais, ou melhor, dos gigantes!

Sem muita delonga, vamos a lista dos TOP 10 raças de maiores touros do mundo. Algumas das raças não são criadas no Brasil, mas são de grande importância econômica em outras regiões do mundo. Confira agora:

10. Brahman

Brahman, Bos Indicus, é uma raça bovina resultado do cruzamento de quatro outras raças: Gir, Nelore, Guzerá e Krishna Valley. Tem sua origem os Estados Unidos. Recentemente introduzido no Brasil, importado em 1994.

Características da raça

  • Tolerância a altas temperaturas e umidade. O pelo curto, grosso e sedoso, reflete os raios solares.
  • A cor clara não é atrativa aos insetos.
  • As fêmeas tem grande facilidade no parto pois o bezerro, além de ter pouco peso ao nascer, possui a cabeça pequena e os ombros estreitos.
  • As fêmeas têm capacidade reprodutiva regular e excelente habilidade materna.
  • Possuem alta resistência a doenças e parasitas.
  • Como é um Bos indicus (Zebu) e não tem parentesco com Bos taurus, pode ser utilizado em cruzamento com outras raças taurinas, gerando bezerros com muito vigor híbrido, isto é, maior velocidade de crescimento (com eficiente conversão alimentar). Em comparação à raças taurinas, produz carne mais magra, com menor deposição de gordura.
  • A docilidade e temperamento da raça facilitam muito o manejo.

A raça tem demonstrado excelente adaptação às condiçōes extensivas de criação no Brasil.

9. Azul Belga

O gado Belga Azul, raça belga fundada no início do século XX, é fortemente (double) musculoso, e originalmente destinado a carne e leite. Atualmente é principalmente uma raça de carne bovina.

Sua pelagem é geralmente branca com manchas azuis (azul) ou preto (malhado). A cor da pele é rosa. As vacas podem chegar até 835 kilos e costumam ter um par de chifres, os machos podem chegar até 1.300 kilos, com pelagem espessa. Seu biotipo é bem característico, a falta de gordura faz com que seus músculos fiquem salientes sob a pele. A musculatura é homogênea em todo o corpo dos ombros até as ancas traseiras.

8. Limousin

O gado Limousin é originário da região centro-sul da França, mais especificamente da província de Limousin.

A raça é antiga: existem pinturas desses animais de sete mil anos atrás, encontradas na Gruta de Lascaux, na França. Além disso, o animal é derivado da antiga raça Garoneza, que ocupava o país no século XVII.

Evidências indicam que sua entrada no Brasil foi feita nos tempos do Império em 1850, onde um engenheiro francês presenteou um touro da raça a um criador mineiro de Ouro Preto – MG. 

O gado Limousin apresenta diversas vantagens para o criador, listadas abaixo:

  • Docilidade e fácil manejo;
  • Boa rusticidade;
  • Adaptabilidade climática e ambiental;
  • Uniformidade no padrão de cor;
  • Alta conversão alimentar;
  • Longevidade;
  • Precocidade;
  • Alto rendimento da carcaça;
  • Grande ganho de peso;
  • Flexibilidade de mercado, com seu uso em diversos nichos;
  • Cruzamento eficaz com matrizes zebuínas;
  • Seleção e melhoramento genético de qualidade, sob o comando mundial da Fundação Norte Americana de Limousin- NALF.

7. Parthenais

Parthenaise é uma raça de gado francês. Seu nome deve-se à cidade de Parthenay, no departamento de Deux-Sèvres , na região de Nouvelle-Aquitaine , no oeste da França. Antigamente, era uma raça de três propósitos, criada para trabalhar com leite, carne e tração , mas agora é criada principalmente para carne bovina . 

A cor da pelagem vai do trigo claro ao escuro, com anéis cinza ao redor do focinho e dos olhos. A pele é negra, assim como a mucosa , os cascos, a espinha e as pontas das orelhas. Os chifres são em forma de lira.

6. Simental

Simental chegou ao Brasil em 1904. Importados pela Secretaria de Estado da Agricultura de São Paulo, esses animais foram trazidos para fomentar a pecuária no estado de São Paulo.

Resumindo, algumas características da raça são:

  • Alta fertilidade a longo prazo
  • Longevidade
  • Facilidade de parto
  • Intervalos curtos entre o parto
  • Excelente habilidade maternal
  • Boa capacidade de pastoreio
  • Maturidade precoce
  • Boas taxas de crescimento
  • Fácil de lidar
  • Uniformidade no tipo e cor

5. Hereford

No Brasil, a raça chegou em 1906, vindo da Argentina. Foi naquela época que Laurindo Brasil, criador de gado e residente de Bagé, em 1907, registrou a sua aquisição no “Herd Book”.

Inserir uma raça desse porte pode favorecer o produtor de várias formas, portanto, reunimos aqui os principais benefícios do gado Hereford para o pecuarista:

  • Chega ao peso ideal muito cedo. Sua faixa etária de abate costuma ser, em média, entre 20 e 26 meses;
  • Possui alto índice de fertilidade; 
  • Apresenta excepcional ganho de peso a pasto, tendo exemplares de bezerros de 450 kg aos 18 meses; 
  • Possui genética favorável ao cruzamento com qualquer raça; 
  • Altamente lucrativa para os criadores e frigoríficos, já que além do corte, sua carcaça também rende bastante.

4. Chianina

O Chianina é a raça de gado mais alta e mais pesada. Os touros adultos têm até 1,8 m e os bois podem atingir 2 m. Não é incomum que os touros excedam 1.600 kg (3.500 lb) de peso. Aos 12 meses são considerados de alto nível. Um touro Chianina chamado Donetto detém o recorde mundial para o touro mais pesado, relatado por uma fonte como 1.740 kg quando exibido na feira Arezzo em 1955, mas como 1.780 kg e 1,85 m de altura aos 8 anos de idade por outras pessoas.

As vacas geralmente pesam 800–900 kg, mas geralmente excedem 1.000 kg; aqueles com mais de 1,65 m são considerados de nível superior. Os bezerros costumam pesar mais de 50 kg ao nascer. 

A pele, focinho, switch, cascos e pontas dos chifres são pretos, assim como as aberturas naturais – ânus , vulva , pálpebras, palato, língua e parte inferior do escroto.

3. Charolês

Charolês é uma raça de gado bovino originária da França, onde está difundida em todo o país. Seu nome em francês, Charolais, deriva de uma região tradicional da França cuja principal localidade é Charolles.

A sua extraordinária produção de carne fez com que esta raça se espalhasse por todo o mundo apesar de ter sido, em sua origem, um gado de tripla aptidão (carne, trabalho e leite).

Os novilhos comuns rendem no abate de 58 a 62%, tendo a carcaça boa distribuição de gordura. É excelente ganhador de peso em confinamento. O seu peso na idade adulta é de 600 a 800 kg nas vacas e 800 a 1.100 kg nos machos adultos. A pelagem é branca ou creme, uniforme. As suas mucosas são róseas.

O charolês é recomendado para a produção de mestiços destinados ao corte. No Brasil é usado principalmente na formação do gado Canchim e Purunã.

2. Devon

devon é uma raça de gado de corte. Suas características mais marcantes são a rusticidade, a fertilidade, a habilidade materna, a precocidade e a docilidade. Ultimamente este gado tem sido muito utilizado para cruzamentos com raças zebuínas, formação da raça sintética bravon, ou mesmo com as raças européias.

1. Maine Anjou

O Herd Book da raça foi aberto no Brasil em 1972, a partir de um touro e três vacas importados da França. O primeiro produto registrado nascido no país foi “Esperona do Carol”, de novembro de 1972, criada por Carlos de Oliveira, Cacequi, RS. Os últimos registros da raça foram comunicados em 1983, por um núcleo da região de Vacaria, RS. Não há notícias sobre ocorrências em núcleos situados em São Paulo.

A raça Maine-Anjou, cujos terneiros pesam, em média 49 Kg ao nascer, tem grande índice de crescimento e acentuada precocidade, levando-a a ocupar lugar importante na produção de novilhos precoces, que apresentam carne com boa terminação e marmoreio. Além disto, são animais que apresentam uma conformação bastante correta.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com