Como evitar que o sal vire pedra no cocho

Como evitar que o sal vire pedra no cocho

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Suplementar o ano todo é fundamental para intensificação da pecuária e obter melhores resultados, mas como evitar que o sal vire pedra na época das chuvas?

Para manter a lucratividade, nada melhor do que promover a melhor produtividade e manter a expectativa de ganho de peso. Para obter esse resultado, é aconselhável manter a atenção em todas as partes da nutrição, inclusive a qualidade do sal no cocho. Por isso, nesta dica, vamos te ensinar como evitar que o sal empedre no cocho. Assim, amigo produtor, sua propriedade fica longe dos prejuízos e potencializa o consumo pelo gado.

A nutrição é um dos pilares mais fundamentais para poder alcançarmos a produtividade esperada e, ainda, aumentar o ganho de peso e consequentemente a nossa taxa de desfrute da propriedade. A suplementação em todas as fases de vida do animal e, principalmente, durante todo o ano, evita que o nosso gado tenha o efeito “sanfona”.

Quando o produtor se depara com o sal empedrado no cocho, sabe que terá problemas na aceitação pelo gado, perda da qualidade do alimento e, o pior, o prejuízo financeiro com o descarte do material. E como o manejo toma boa parte do seu dia, ficar triturando essa pedra, não é a melhor forma solução, não é mesmo?

Ainda assim, ao usar cochos não cobertos, é aconselhável ter um monitoramento (e abastecimento) mais intensivo, uma vez que a umidade ajuda a empedrar o sal, o que prejudica seu consumo.

Por que o sal empedra no cocho? 

Antes de tudo, precisamos entender os motivos que fazem com que o nosso sal no cocho vire pedra, certo? Diante disso, vamos ver alguns motivos que podem levar o sal empedrar no cocho. Alguns deles são:

  • Umidade. Em épocas ou regiões de muita chuva, o problema pode acontecer com maior frequência. Isso acontece porque o sal absorve muita umidade, essa umidade faz com que ele vá se aglomerando e vire um verdadeiro “tijolo”;
  • Manejo incorreto: Quando o sal fica exposto muito tempo no cocho. Nesse caso, o produtor pode estar colocando uma quantidade maior que a indicada para o consumo.
Foto Divulgação.

O sal mineral, quando empedra no cocho, ou passa por um longo período no cocho ele pode acabar separando o sal branco da parte mineral da mistura. Essa situação fará com que os animais acabem tendo uma super ou supra ingestão de nutrientes. Veja a figura abaixo:

Como evitar que o sal empedre no cocho

Algumas opções podem ser trabalhadas afim de evitar que o sal se torne uma “pedra no sapato” do pecuarista e acabe trazendo prejuízo ao invés do lucro esperado. As opções que vamos colocar aqui podem ser utilizadas por qualquer um, desde que se encaixe na sua realidade.

A primeira delas é o abastecimento com maior frequência, além de ser mais barata e não requerer grande investimento, permite o fornecimento de um alimento sempre novo ao gado. Aconselhamos a utilização de um tambor ao lado do cocho, afim de armazenar algumas sacas do mineral, evitando o transporte diário do produto. Lembre-se de vedar o tambor para que não peque chuvas!

Sal mineral no cocho
Foto: Divulgação

Uma outra opção é a utilização de cochos cobertos, esse requer um maior investimento em infraestrutura, já que será necessário a construção de um cocho com uma cobertura. Existem diversos modelos que são fixos ou móveis.

Cochos cobertos, bem assentados, bem localizados, que não fiquem ilhados por acúmulo de água ajudam muito os lotes por eles atendidos a terem bom consumo e devem ser o padrão a ser atingido. Todavia, o pior cenário não é ter o sal mineral molhado pela chuva, mas a falta de espaço linear mínimo de cocho. Recomenda-se oferecer no mínimo 6 cm lineares de cocho para cada unidade animal atendida por esse cocho.

Entre ter o sal preservado da chuva e dar acesso ao sal a todos os animais, mesmo que molhado, dê preferência à segunda opção. Ainda assim, ao usar cochos não cobertos, é aconselhável ter um monitoramento (e abastecimento) mais intensivo, uma vez que a umidade ajuda a empedrar o sal, o que prejudica seu consumo.

gado-nelore-no-cocho-lambendo-sal
Foto: Agropecuária ZC

Uma outra solução está em uma farinha muito conhecida por nós, pecuaristas, o fubá. Isso mesmo, amigo produtor. Quando for inserir o sal no cocho, faça uma mistura com o fubá. A função é retirar o excesso de umidade que faz com que o sal vire pedra. Outra vantagem do fubá é o sabor agradável que faz com que o consumo seja mais efetivo e evita a rejeição.

Sempre que for trocar a nutrição do gado, seja sal, seja a ração, insira um pouco de fubá. É uma dica econômica que trará muitos benefícios na nutrição dos seus bovinos.

Lembramos ainda que, independente da estratégia utilizada, os cochos devem estar em área estratégica e dê preferência aos cochos móveis, já que esses evitam a degradação do local e em épocas de chuva a formação de lama, o que atrapalha o consumo pelos animais. Outra dica importante é o furo no fundo do cocho, bem pequeno, de forma que permita o escoamento da umidade que possa se formar no cocho.

O manejo correto deve ser sempre adotado em todas as operações da fazenda, dessa forma o pecuarista evita que seu o investimento seja perdido.

Foto Divulgação.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com