Conheça o Cavalo Pantaneiro, rústico e versátil

Conheça o Cavalo Pantaneiro, rústico e versátil

PARTILHAR

Cavalo pantaneiro é destaque no mercado rural; Rústico, resistente e versátil, o cavalo pantaneiro se apta facilmente a provas esportivas. Confira!

Rústico, resistente e versátil, o cavalo pantaneiro se apta facilmente a provas esportivas e ao trabalho no campo. Em um momento de superação de crise econômica, é uma opção para alavancar os negócios no campo e colocar os criadores Mato Grosso e Mato Grosso do Sul em destaque no mercado nacional.

Atualmente, há cerca de 5 mil cavalos pantaneiros puros registrados na Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Pantaneiro (ABCCP) e mais de 130 criadores localizados em 21 sub-regiões. O número total estimado de equinos no Pantanal é 100 mil, o que revela uma grande quantidade de animais mestiços.

Pecuarista há muitos anos, comecei a criar a raça e me apaixonei. Na cheia eles cavalgam em terrenos alagados e na seca enfrentam as areias quentes, são valentes e que não recusam trabalho. Também possuem personalidade própria, sabem exatamente o que estão fazendo e demostram o que querem! Cuidar deles é algo que aprendi com meu avô e o meu pai e que agora ensino aos meus dois filhos.

Descendente dos animais utilizados pelas tropas portuguesas, eles fazem parte da história do Brasil e foram fundamentais para a sobrevivência dos povos que o utilizavam como meio de transporte, manejo de gado e caça. Uma vez introduzidos no Pantanal, adaptaram-se bem às condições ecológicas, um processo que fez parte da seleção natural em centenas de anos.

Rústico, resistente e versátil, o cavalo pantaneiro se apta facilmente a provas esportivas e ao trabalho no campo.

Sem dúvida, um dos principais motivos para a conservação do cavalo pantaneiro é o seu valor genético. São animais de porte médio, ótimo desempenho funcional e agilidade para provas equestres (enduro e rédeas), com exemplares bem colocados em competições nacionais. Mesmo assim quase foram extintos por causa de doenças e cruzamentos indiscriminados com outras raças.

Uma raça única de equinos, que se adaptou como nenhuma outra ao ambiente quente e úmido e às longas distâncias da planície pantaneira. O cavalo pantaneiro tem sua origem dos cavalos Ibéricos trazidos ao Brasil na época da colonização.

O sucesso na manutenção e aperfeiçoamento da raça se deve principalmente ao trabalho feito por instituições como ABCCP, criada em 1972, que em parceira com a Embrapa e as associações regionais, oferece apoio aos criadores. Aliás, a associação vem buscando continuamente a melhoria genética da raça e para isso agregando novas tecnologias, como manejo nutricional, doma racional e fertilização.

Valorização

A pesquisadora especialista em produção e manejo animal, Sandra Santos, da Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, revela que o homem do campo do Pantanal reconhece hoje o grande valor do cavalo pantaneiro na lida do gado. “Ele faz questão que a raça seja preservada com suas características rústicas de força e agilidade para o trabalho de campo. A beleza para exposições não é a qualidade mais valorizada por eles”, explica.

Outra qualidade da raça que tem sido muito valorizada pelos criadores é a agilidade para provas equestres, como enduro e rédeas, com exemplares pantaneiros bem colocados em competições nacionais. “Se com um número ainda pequeno de animais já conseguimos essa qualidade, num futuro próximo, com mais criadores e animais, isso será ainda melhor”.

No leilão deste ano em Cuiabá, em julho, a égua Herança e o cavalo Debochado, astros da abertura da novela ‘Paraíso’ da Rede Globo, foram arrematados por R$ 148 mil e R$ 64 mil, respectivamente. Os preços crescentes mostram um mercado promissor e grandes chances de conservação para a raça.

Aliás, as parcerias entre criadores e pesquisadores também tem ajudado a promover a diversidade genética do cavalo pantaneiro. A partir dela foram criados sistemas orientados de acasalamento e avaliação das características de adaptação, como a resistência dos cascos à umidade e a tolerância ao calor. Essa união de esforços vem sendo fundamental.

Sou criador, de família de pecuaristas, um filho de Poconé, que vem trabalhando incansavelmente para que a raça pantaneira se expanda pelo Brasil, mas sem esquecer as suas origens. É muito gratificante estar aqui onde tudo começou, participar mesmo das lutas e vencer as inúmeras dificuldades. Posso assegurar, que além de um bom negócio, o cavalo pantaneiro é um patrimônio do Brasil!

*Breno Molina é diretor da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Pantaneiro em Mato Grosso.

Compre Rural com informações do Mídia News e Embrapa

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com