Déficit de touros de supera 300 mil cabeças no país

PARTILHAR
touro nelore - fazenda serenata - maracaju ms
Granito Serenata / Foto: Fazenda Serenata

Déficit anual de touros de reposição supera 300 mil cabeças no Brasil; Em virtude desse déficit, a ABCZ avalia que é preciso valorizar o touro para se ter um rebanho com maior qualidade.

déficit de touros para reposição no Brasil supera a marca de 300 mil cabeças por ano, estimou Ricardo Abreu, gerente de Fomento dos Programas de Melhoramento Genético da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ). “Uma grande parte das fêmeas está sendo coberta por gado comum, sem genética e pureza racial”, disse, durante a 87ª Expozebu, em Uberaba (MG), evento promovido pela própria ABCZ.

Abreu leva em consideração, no cálculo, o rebanho de fêmeas em idade reprodutiva de 63 milhões de cabeças. Desse total, 16 milhões são inseminadas artificialmente. Para as 47 milhões de cabeças restantes, há em torno de 1,56 milhão de touros para reprodução – um touro cobre, em média, 30 fêmeas.

Como o ciclo de reprodução dos touros leva em torno de seis anos, a demanda por esses animais chega a 300 mil por ano. “É um mercado espetacular e com muita demanda. Atualmente, o que entra no mercado, o que é registrado pela ABCZ, é em torno de 600 mil cabeças por ano”, disse Abreu.

Em virtude desse déficit, o gerente da ABCZ avalia que é preciso valorizar o touro para se ter um rebanho com maior qualidade. “Quando o produtor conhecer sua fêmea, ele vai valorizar mais a compra de um animal P.O. (puro de origem) e, consequentemente, sua produção vai crescer, porque vai melhorar seus índices de produtividade”, ressaltou, defendendo também aperfeiçoamento em genética e inseminação artificial, trabalho este desenvolvido na ABCZ pelo programa Pró-Genética.

Como o ciclo de reprodução dos touros leva em torno de seis anos, a demanda por esses animais chega a 300 mil por ano.

Ele lembra que desde o início da pandemia, em março de 2020, houve um crescimento na procura por touro melhorador, no número de associados na ABCZ, e em relação aos criadores participantes do Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos (PMGZ).

“É um demonstrativo de que há interesse em se ter uma criação com mais qualidade”, apontou. A procura por touros de reposição se acentua a partir de julho, antes da estação de monta, que ocorre no período de chuvas e dura de 90 dias a 120 dias.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com