E agora? Terras da Europa estão contaminadas, diz pesquisa

PARTILHAR

Até 42.000 toneladas de microplásticos são aplicados em solos agrícolas europeus a cada ano como resultado do fertilizante que está sendo utilizado; E agora, vão culpar o Brasil?

As terras agrícolas em toda a Europa são potencialmente o maior reservatório global de microplásticos devido às altas concentrações encontradas em fertilizantes derivados de lodo de esgoto, mostrou uma nova pesquisa. A UE, sempre tentou colocar o agronegócio brasileiro como o “culpado” de tudo no mundo. E agora, as verdades começam a aparecer e, claro, quem eles vão tentar culpar?

Cientistas da Universidade de Cardiff estimam que entre 31.000 e 42.000 toneladas de microplásticos (ou 86 a 710 trilhões de partículas de microplástico) são aplicadas aos solos europeus anualmente, refletindo a concentração de microplásticos encontrados nas águas superficiais dos oceanos.

Destaques  
• MPs foram detectados em efluentes de entrada de ETE, lodo sedimentado e escória de superfície.
• Um WwTP PST pode remover 100% dos MPs de 1.000 a 5.000 μm das águas residuais de entrada.
• 96% dos MPs removidos em um PST acumulados no lodo sedimentado.
• O lodo de esgoto continha 0,01 g de MP por g de sólido seco, igual a ~1% do peso.
• Entre 31.000 e 42.000 toneladas de MP são aplicadas em solos europeus anualmente.

Em um estudo publicado na revista Environmental Pollution, a equipe estima que os microplásticos removidos do esgoto bruto em estações de tratamento de esgoto representam cerca de 1% do peso do lodo de esgoto, que é comumente usado como fertilizante em fazendas em toda a Europa.

O Reino Unido demonstrou potencialmente ter a maior quantidade de contaminação microplástica em seus solos, com 500 a 1.000 partículas de microplástico por metro quadrado de terra agrícola aplicada por ano, seguido por Espanha, Portugal e Alemanha.

O lodo de esgoto é comumente usado em terras agrícolas como fonte sustentável e renovável de fertilizante em todos os países europeus, em parte devido às diretivas da UE que promovem o desvio do lodo de esgoto do aterro e da incineração para a produção de energia e agricultura.

Os microplásticos espalhados nas terras agrícolas serão eventualmente transportados de volta para o curso de água natural por meio do escoamento superficial das águas ou infiltração nas águas subterrâneas.

Com menos de 5 mm de tamanho, os microplásticos representam uma ameaça significativa para a vida selvagem, pois são facilmente ingeridos e podem transportar contaminantes, produtos químicos tóxicos e patógenos perigosos, impactando potencialmente toda a cadeia alimentar.

“Nossa pesquisa questiona se os microplásticos estão de fato sendo removidos em estações de tratamento de águas residuais ou estão efetivamente sendo deslocados pelo meio ambiente”, disse o principal autor do estudo, James Lofty, da Escola de Engenharia da Universidade de Cardiff.

“Uma clara falta de estratégia das empresas de água para gerenciar microplásticos no lodo de esgoto significa que esses contaminantes são transportados de volta ao solo e eventualmente retornarão ao ambiente aquático”.

Em seu estudo, a equipe coletou amostras da Nash Wastewater Treatment Plant em Newport, South Wales, que trata o esgoto combinado de uma população de 300.000.

Sua análise revelou que a estação de tratamento foi 100% eficaz na remoção de grandes partículas microplásticas, de 1 a 5 mm de tamanho, do esgoto recebido que, de outra forma, seria liberado no ambiente aquático.

Cada grama de lodo de esgoto continha até 24 partículas de microplástico, o que representava aproximadamente 1% do seu peso.

Esses dados foram então usados ​​para avaliar o impacto em toda a Europa usando números da Comissão Europeia e do Eurostat sobre o uso e aplicação de lodo de esgoto como fertilizante em todo o continente.

Como os pesquisadores não analisaram microplásticos com menos de 1 mm de tamanho, as concentrações gerais provavelmente serão muito maiores do que suas estimativas.

“Nossos resultados destacam a magnitude do problema nos solos europeus e sugerem que a prática de espalhar lodo em terras agrícolas poderia torná-las um dos maiores reservatórios globais de poluição microplástica”, continuou James Lofty.

“Atualmente, não há legislação europeia que limite ou controle a entrada de microplásticos no lodo de esgoto reciclado com base nas cargas e toxicidade da exposição ao microplástico.

“Esforços devem ser feitos para aumentar o monitoramento padronizado das concentrações de microplásticos em lodo de esgoto e solos agrícolas, o que forneceria uma imagem mais precisa dos níveis de contaminação nos solos em toda a Europa”.

O estudo foi liderado pela Universidade de Cardiff e incluiu acadêmicos da Universidade de Manchester.


Fonte da história:

Materiais fornecidos pela Universidade de Cardiff . Nota: O conteúdo pode ser editado para estilo e duração.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com