Estratégia diminui efeitos da hipocalcemia em vacas leiteiras

Estratégia diminui efeitos da hipocalcemia em vacas leiteiras

PARTILHAR
vaca-leiteira-parida-de-gemeos
Foto: rahulfchavda25.blogspot.com.br

Estratégia para minimizar os efeitos da hipocalcemia subclínica em vacas leiteiras.

As vacas leiteiras nas últimas décadas têm sofrido uma grande pressão seletiva no sentido de aumento da capacidade produtiva, ao mesmo tempo em que têm perdido sua rusticidade. Como consequência diversos problemas relacionados com os altos níveis produtivos aumentaram.

A aceleração da produção leiteira logo após o parto traduz-se cada vez mais numa incapacidade da vaca em lidar com as necessidades metabólicas da alta produção, levando a um aumento na incidência das doenças puerperais que são por sua vez uma causa de perda econômica e de bem-estar animal.

Um fator de grande importância no período de transição de vacas leiteiras é o cálcio. Uma demanda muito grande de cálcio é exigida para a produção de colostro (podendo chegar a nove vezes a quantidade de cálcio disponível no soro sanguíneo para dez litros de colostro). Esta demanda pode ser suprida pela absorção de cálcio pelo intestino ou pela reabsorção óssea porém, esta pode levar mais tempo ocasionando no animal, um quadro de hipocalcemia.

O que é hipocalcemia bovina

A hipocalcemia pode ocorrer de duas formas: clinica e subclínica. A clínica também conhecida por febre do leite ou síndrome da vaca caída pode ser caracterizada por fraqueza, incoordenação, tremores musculares, decúbito etc. Ocorre normalmente de 24 a 48 horas pós-parto. Logo que a doença for diagnosticada o animal deve ser tratado com soluções de borogluconato de cálcio endovenoso.

vaca-logo-apos-o-parto
Foto: Divulgação

Hipocalcemia subclínica

A hipocalcemia subclínica não possui sinais evidentes, porem sabemos que sua incidência é de 50% ou mais nos rebanhos leiteiros. Esta doença pode provocar grandes perdas econômicas, produtivas e reprodutivas, pois, o cálcio está intimamente relacionado com a contração muscular e um déficit nos níveis de cálcio pode levar o animal a sofrer problemas durante o parto, retenção de placenta, torção de abomaso e até mesmo a mastite, já que os esfíncteres dos tetos terão dificuldades em se fecharem após a ordenha.

Estudo sobre os efeitos da hipocalcemia

Um recente estudo visou avaliar os efeitos da suplementação de formiato de cálcio (Calfon Oral®) na incidência de hipocalcemia subclínica, produção de leite, como também incidência de enfermidades secundárias, como a cetose, deslocamento de abomaso, mastite e retenção de placenta.

Nesse trabalho, foram utilizados 244 animais, sendo 122 animais no grupo controle (GC) e 122 animais no grupo tratamento (GT).

No grupo tratamento, foram administradas duas doses de formiato de cálcio (Calfon Oral®), com administração média de 6 e 31 horas após o parto. A incidência de hipocalcemia subclínica nos animais avaliados foi de 65 a 76 %, de acordo com o método de analise laboratorial que foi realizado, ou seja, uma incidência altíssima da doença.

Nos parâmetros produtivos, nos primeiros 100 dias de lactação, as vacas multíparas que receberam Calfon Oral® produziram 71 kg a mais de leite, comparado com animais que não receberam a suplementação. Além disso, foi observada redução na incidência das doenças metabólicas avaliadas, principalmente cetose e deslocamento de abomaso.

vaca-apos-parto-de-gemeos
Foto: theprairiehomestead.com

Como tratar a hipocalcemia subclínica

Para evitar os problemas decorrentes da hipocalcemia subclínica alguns produtores utilizam aplicações de cálcio injetável logo após o parto. O que possui um efeito muito reduzido já que as soluções de cálcio injetáveis possuem uma ação muito rápida, de no máximo duas horas.

Uma ferramenta muito eficiente e prática para a prevenção da hipocalcemia subclínica seria a administração via oral de formiato de cálcio (Calfon Oral®), este não causa irritações no trato gastrointestinal dos animais e disponibiliza altos níveis de cálcio por muito mais tempo, além de possuir elevados níveis de magnésio e palatabilizantes que facilitam sua administração.

O protocolo de uso do Calfon Oral® seria a administração de quatro garrafas do produto, sendo a primeira na véspera do parto, a segunda no momento do parto, a terceira doze horas após o parto e a quarta garrafa vinte e quatro horas após o parto.

guia de aplicação do calfon-oral
Fonte: comprerural.com

Veja como é fácil aplicar o Calfon Oral

Conteúdo Adaptado do site MilkPoint aqui e aqui