Fazenda no Pará é invadida por 500 membros da UNC e tem...

Fazenda no Pará é invadida por 500 membros da UNC e tem 15 reféns!

PARTILHAR
invasão pela UNC
Foto Divulgação.

Cerca de 15 funcionários são mantidos reféns. Segundo autoridades, os invasores de terra vão ser punidos. Veja!

Na última sexta-feira, dezenas de homens da União Nacional Camponesa (UNC) — alguns armados –, liderados por Francisco Leite Neto, invadiram uma fazenda no município de Itupiranga, a cerca de 50km de Marabá, no Pará.

Segundo relatos de funcionários da propriedade, chamada Fazenda Novo Mundo, pelo menos 10 deles estão mantidos em cárcere privado.

A União Nacional dos Camponeses (UNC) é um dos vários grupos extremistas que utilizam de violência para invadir propriedades privadas pelo Brasil.

Segundo a Ministra Tereza Cristina, o Incra já havia vistoriado propriedade anteriormente. Cerca de 15 funcionários chegaram a ser feitos reféns por homens armados, de acordo com o secretário.

Ainda segundo a Ministra, os responsáveis devem ser punidos e responsabilizados pelos seus atos, já que a fazenda é produtiva e não motivo para a invasão.

Dois homens foram presos em flagrante no momento da chegada da Polícia Militar, no fim de semana, mas a invasão ainda continua.

Em 2015, o MST realizou uma invasão a uma fazenda e realizou uma barbaridade com os animais da propriedade, veja o fato na matéria abaixo:

Esse é o procedimento que vamos adotar daqui para frente. O governo terá de identificar esses invasores, que estão cometendo crimes. Se não fizer nada, é prevaricação.

O secretário especial de Regulação Fundiária do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia, convocou uma coletiva para anunciar, nesta tarde, as medidas que serão adotadas pelo governo.

“Isso é reforma agrária? Isso é bagunça agrária, anarquia agrária”, afirmou Garcia. “Reforma agrária, está na lei e vai continuar. Propriedade sem função social vai para reforma, mas propriedade produtiva, não”, completou.

Leia também:

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com