Frigorífico desrespeita produtor ofertando menores preços

Frigorífico desrespeita produtor ofertando menores preços

PARTILHAR
Foto: Governo de Mato Grosso

Dificuldade de compra em preços menores em todas as praças; Frigoríficos tentaram impor uma onda baixista no mercado, mas viram caminhões vazios!

A pressão de baixa sobre as cotações nas ordens de compra das indústrias paulistas surte pouco efeito. Embora a demanda esteja fraca, a oferta de gado, por outro lado está limitada, fator que tem contido as pressões negativas e impedindo recuos na cotação da arroba. 

No estado, a referência para o boi comum está estável na comparação dia a dia, em R$220,00/@, bruto e à vista. As escalas de abate atendem, em média, três dias. 

Nesta terça-feira, 7 de julho, os preços do boi gordo registraram variações distintas nas principais regiões pecuárias do Brasil. No Centro-Oeste, prevaleceu o movimento de queda da arroba, mas em São Paulo, assim como nas praças do Norte do País, as cotações permaneceram firmes, segundo levantamento da consultoria IHS Markit (antiga Informa Economics FNP).

Nas regiões com maior representatividade de indústrias exportadoras, principalmente nas praças de São Paulo, os preços seguiram estáveis nesta terça-feira. O boi gordo é vendido no Estado a R$ 224/@(valor máximo, a prazo), informa a IHS Markit.

Exportação

Nos primeiros três dias úteis de julho, as exportações brasileiras de carne bovina continuaram em ritmo elevado. Dados preliminares divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) mostram que os embarques brasileiros de carne bovina “in natura” durante a primeira semana de julho totalizaram 17,73 mil toneladas exportadas, com receita de US$ 71,37 milhões. A média diária ficou registrada em 5,90 mil toneladas/dia, desaceleração de 18,6% sobre o mês anterior, mas avanço de 2,1% em comparação a julho/19.

O preço da tonelada exportada também desacelerou quando comparado a junho – a média girou em torno de US$ 4.025,73, com baixa de 6,3% sobre o mês anterior. Se comparado ao mesmo período do ano passado, os preços ficaram praticamente estáveis, com uma alta pontual de 1%.

Dourados-MS

Algumas indústrias da região, as que estão com escalas de abate mais confortáveis, aproveitam o momento para testar o mercado e abriram as compras derrubando a cotação em R$2,00/@.

O boi gordo está cotado em R$210,00/@, considerando o preço bruto, a prazo, R$209,50/@, com desconto do Senar, e R$207,00/@ com desconto do Funrural e Senar.

O volume de compras foi irrisório.

Referências para a arroba

A expectativa fica por conta da reação do consumo de carne bovina no mercado interno com o recebimento dos salários e dos auxílios ao longo dessa semana.

Na Agrobrazil

Os pecuaristas estão mais conservadores nas negociações, com isso, o número de negócios informados no dia de hoje, 7, foram mais tímidos em relação a semana passada. Os frigoríficos estão tentando impor uma pressão baixista, mas sem sucesso.

A média no app da Agrobrazil, para a praça de São Paulo, ficou cotada em R$ 225,57, com alta de mais de 4% em relação a segunda-feira. Já os preços tiveram uma variação de R$ 220 a R$ 228 por arroba.

Para os animais com destino ao mercado interno, os preços em Gastão Vidigal/SP, ficou em R$ 225/@ à vista e abate para o dia 13 de julho. Já com o destino ao mercado interno, os preços em Morro Agudo/SP, ficou em R$ 228/@ à vista e abate para o dia 14 de julho.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com