Frigorífico tenta comprar a R$ 185/@ e sai de caminhão vazio

Frigorífico tenta comprar a R$ 185/@ e sai de caminhão vazio

PARTILHAR
Foto: Confinamento Monte Alegre

Frigoríficos na região de Presidente Prudente-SP testam arroba de R$ 185 , mas não conseguem concretizar negócios; Pecuarista não vai vender boi barato!

No município de Presidente Prudente/SP, negócios para o mercado do boi gordo estão ocorrendo com valores de R$ 190,00/@, mas indústrias já pensam em testar valores de R$ 185,00/@. Por outro lado, os frigoríficos alegam que não estão conseguindo escoar a carne bovina para o atacado.

De acordo com o Presidente do Sindicato Rural da localidade, Carlos Roberto Biancardi, as programações de abate estão próximas de uma semana e a cotação a arroba está estável. “O mercado está calmo se comparado com aquela euforia que observamos no final do ano e a referência para o boi gordo está precificado a R$ 190,00/@, à vista”, comentou.

Negócios são efetivados a partir dos R$ 190 por arroba, mas escalas nos frigoríficos seguem curtas, de no máximo uma semana

A região conta com oferta de gados terminados de confinamentos e os animais de pastos já começam a ficar em condições de abate. “A tendência é esse volume de animais aumentarem já que as pastagens estão se recuperando e vamos entrar no período de safra”, relata.

Com relação às exportações, a liderança destaca que a demanda chinesa recuou e os chineses estão colocando obstáculos para os produtos que já foram embarcados. “Tudo isso cria um ambiente para os frigoríficos para adquirir carne mais barata, mas os valores atuais continuam remunerando os produtores rurais”, diz Biancardi.

Como ficou a cotação de Quarta-Feira?

A cotação também recuou em 17 praças das 32 regiões monitoradas pela a Scot Consultoria. Considerando a média de todas as regiões pesquisadas, a cotação da arroba caiu 0,7% na comparação com o fechamento de ontem (21/01), e 1,7% no acumulado da semana.

O desempenho das vendas no mercado interno não está sendo satisfatório e os preços dos cortes bovinos seguem fragilizados. “Sem perspectiva de recuperação, ao menos no curtíssimo prazo, fato esse que mantêm a maior parte das indústrias preocupadas com suas margens operacionais. Com isso, os frigoríficos estão buscando diversas tentativas de emplacar preços abaixo dos patamares vigentes”, destacou a Informa Economics FNP.

Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o Presidente do Sindicato Rural de Presidente Prudente/SP destacou que os  negócios para o mercado do boi gordo estão ocorrendo com valores de R$ 190,00/@, mas indústrias já estão querem testar valores de R$ 185,00/@, já que os frigoríficos alegam que não estão conseguindo escoar a carne bovina para o atacado.

A Radar Investimentos ressaltou que o volume negociado no mercado físico tem sido pequeno no estado de São Paulo. “As médias das escalas de abate no estado estão nas mínimas dos últimos meses. Também é comum ver dias sem operação ou redução da relação cab/dia nos abates do estado”, apontou em seu boletim matinal.

No aplicativo da AgroBrazil,  arroba na região de Sales/SP foi negociada a R$ 196,00/@, à vista e com data para o abate em 27 de janeiro. No município de Teodoro Sampaio/SP, o boi gordo foi comercializado a R$ 190,00/@, à vista e com data para abater em 24 de janeiro.

Os participantes do Aplicativo informaram negócios para o boi china ao redor de R$ 190,00/@, à vista e com data para o abate em 28 de janeiro. Em Barretos/SP, a arroba foi comercializada em R$ 192,00, à vista e com data para abate em 29 de janeiro.

Mercado futuro

Na Bolsa Brasileira (B3), as cotações futuras do boi gordo finalizaram a sessão desta quarta-feira (22) com recuo de 1,17% a 0,27% nos principais contratos negociados. O Janeiro/20 terminou o dia cotado a R$ 187,05/@ e o Fevereiro/20 finalizou o pregão negociado a R$185,90/@. Já o vencimento Março/20 está cotado a R$ 186,50/@.

Fonte: Notícias Agrícolas

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com