Frigorífico tenta, mas arroba fecha semana a R$ 304, veja!

Frigorífico tenta, mas arroba fecha semana a R$ 304, veja!

PARTILHAR
Foto Divulgação

Oferta restrita de animais para abate controla preços da arroba, que continua firme e acima de R$ 300 em São Paulo, mas é bom ficar de olho!

O mercado físico de boi gordo teve preços estáveis nesta sexta-feira, 12, ditado pela menor oferta de animais e queda no consumo interno. Os frigoríficos tentaram exercer alguma pressão sobre os pecuaristas por baixas nos preços, mas sem êxito até o momento. Sendo assim, arroba encerra a semana acima de R$ 300,00 mas com sinal vermelho no mercado do boi gordo e alerta para os pecuaristas!

A oferta de animais terminados no geral é restrita, resultando em dificuldades na composição das escalas de abate. Sendo assim, os negócios seguem prejudicados pela baixa oferta de animais e, ao mesmo tempo, pela posição de cautela de boa parte das indústrias compradoras, que relatam dificuldade em repassar os altos custos da matéria-prima (boiada gorda) ao longo da cadeia produtiva.

Segundo a Scot Consultoria, os preços da vaca e da novilha gordas porém, recuaram R$ 3,00/@ na comparação diária, negociadas, respectivamente, em R$ 282,00/@ e R$ 292,00/@, preços brutos e a prazo, recuo de 1,1% e 1,0%, nesta ordem.

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado chegou a R$ 297,00/@, na sexta-feira (12/02), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 285,17/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 282,88/@.

Entretanto, refletindo o mercado de forma positiva, o Indicador do Cepea nas praças paulistas, apontou para uma valorização de 1,82% na comparação diária e fechou a semana atingindo um novo recorde nominal cotado a R$ 303,00/@. Lembrando que o indicador é utilizado por muitas indústrias para as suas negociações!

Segundo a IHS Markit, a maioria das indústrias frigoríficas continuou a regular os seus processos de compra de gado diante do aperto de suas margens operacionais, mas não conseguem exercer pressão baixista sobre o mercado, uma vez que a oferta se animais prontos para abater segue escassa.

“Os preços praticados no mercado físico do boi gordo se mostram bem mais altos que às máximas apresentadas no ano anterior, mas proporcionalmente, os valores dos principais cortes bovinos não galgaram maiores valorizações neste primeiro trimestre de 2021”, relata a IHS.

Escalas de abate

As escalas de abates avançaram na segunda semana de fevereiro em algumas regiões. A indústria ainda encontra dificuldades na composição das escalas, sustentado pela escassez de boiada pronta para abate, mas as incertezas e o feriado prolongado da próxima semana deram força para o aumento pontual.

  • Em São Paulo, a programação de abate se encerrou com 7,0 dias úteis, aumentando um dia nas escalas comparado a semana anterior. Cabe a ressalva de que apesar da melhora na programação, muitos frigoríficos ainda pulam dias de abate no estado paulista.
  • Já em Goiás e Mato Grosso do Sul, as indústrias encerraram a sexta-feira com 5,0 dias e 6,0 dias úteis, respectivamente.
  • A situação é mais crítica na região mato-grossense e mineira, onde os trabalhos fecharam a semana com 4,0 dias úteis.

Exportações

Em parte, o menor ritmo dos embarques é reflexo da menor participação chinesa nas compras do produto brasileiro em função das comemorações do Ano Novo Lunar na China. Porém, observa a IHS Markit, há indústrias que relatam, também, que estão diminuindo participação em alguns mercados consumidores, como no Chile, por não conseguir competir com carnes da Argentina, Uruguai e Paraguai, vendidas a preços mais baixos.

Na primeira semana de fevereiro (5 dias úteis), o Brasil registrou uma média de 4,71 mil ton./dia de carne bovina in natura exportada, desempenho 23,3% inferior ao verificado à média de fevereiro de 2020, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou a R$ 304 – R$ 305.
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 290, inalterado.
  • Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 294, estável.
  • Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 295.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 302 a arroba.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem acomodados. “O ambiente de negócios ainda sugere por pouco espaço para reajustes, avaliando a incapacidade do consumidor médio em absorver novos reajustes da carne bovina no varejo.”, disse Iglesias.

Com isso, o corte traseiro permaneceu em R$ 20,80 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 15,60 o quilo, enquanto a ponta de agulha seguiu em R$ 15,60 o quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com