Frigoríficos querem boi gordo, mas boi barato

Frigoríficos querem boi gordo, mas boi barato

PARTILHAR
Foto: Comex do Brasil/Divulgação

Frigoríficos seguem fora das compras de animais e atentos as vendas de carne no atacado. Pecuaristas devem ficar atentos aos preços ofertados, o consumo caiu no atacado!

O volume de negociações no mercado físico do boi gordo não está avançando, já que as indústrias frigoríficas estão optando por se manter fora das compras de animais e acompanhando as vendas de carne no atacado neste final de semana. Segundo a Informa Economics FNP, esse comportamento mais retraído dos frigoríficos é comum no início da semana.

“A cautela das indústrias está acentuada neste período do mês devido à preocupação das empresas com as margens operacionais frente a queda nos preços da proteína, motivada pela irregularidade do consumo doméstico. Como não há expectativa de recuperação da demanda interna ao menos até o final do mês, os frigoríficos devem seguir testando o mercado físico de boiada gorda, ofertando preços abaixo das máximas vigentes”, informou a consultoria.  

No município de Guzolândia/SP, o Boi Europa está precificado a R$ 195,00/@, à prazo com dois dias para pagar e com data para o abate em 23 de janeiro.

A Scot Consultoria destacou que a cotação do boi gordo em São Paulo ficou estável na comparação com o fechamento de sexta-feira (17/01).

“O objetivo dos frigoríficos é de traçar estratégias de preços a serem ofertados pelo boi gordo devido à dificuldade no escoamento de carne bovina nas últimas semanas. A expectativa é de que esses frigoríficos retornem a ativa no período da tarde”, comentou.

Em seu boletim matinal, a Radar Investimentos destacou que as indústrias pressionaram os preços de balcão na semana anterior, mesmo sem comprar volumes significativos para preencher as programações desta semana.

“A oferta de animais terminados é restrita e as escalas de abate estão praticamente estagnadas desde a segunda semana de jan/20”, apontou a consultoria.

De acordo com os dados da XP Investimentos, os preços o do boi gordo estão na média de R$ 191,12/@ à vista e livre do Funrural (1,5%), com recuo diário de R$ 0,75/@ ou -0,40%.

“O boi casado de animais castrados tem média de R$ 12,26/kg no atacado paulista e queda de R$ 0,25/kg. Pelo levantamento interno, as programações atendem 5,0 dias úteis para as grandes indústrias e 4,0 dias para as pequenas e médias”, ressaltou em seu acompanhamento diário.

No aplicativo da AgroBrazil, os participantes informaram negócios em Nobres/MT para o animal com premiação de R$ 184,00/@, à prazo com trinta dias para pagar e com data para o abate em 24 de janeiro. Na região de Bataguassu/MS, o boi gordo foi negociado a R$ 185,00/@, à prazo com trinta dias para pagar e com data para o abate em 23 de janeiro.

No município de Guzolândia/SP, o Boi Europa está precificado a R$ 195,00/@, à prazo com dois dias para pagar e com data para o abate em 23 de janeiro. Na localidade de Colômbia/SP, o animal está cotado a R$ 190,00/@, à vista e com data para o abate em 21 de janeiro.

Mercado futuro

Na Bolsa Brasileira (B3), os contratos futuros do boi gordo finalizaram o pregão desta segunda-feira (20) com valorizações. O vencimento Janeiro/20 registrou um avanço de 0,59% e foi negociado a R$ 188,40/@ e o Fevereiro/20 encerrou a sessão precificado a R$ 187,50/@ e com um ganho de 0,67% e o Março/20 terminou estável e está cotado a R$ 187,50/@.

Mercado do boi gordo e carne bovina no começo de 2020

Fonte: Notícias Agrícolas

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com