Fundos vão captar R$ 850 milhões para investir no agro brasileiro

PARTILHAR
Fazenda Santa Brígida, sobre integração lavoura pecuária floresta - ILPF
Integração lavoura pecuária floresta - ILPF / Foto: Tony Oliveira

Fiagro: com duas ofertas a caminho, estreia do mercado deve ser marcada por fundos com foco em ativos imobiliários do agronegócio; confira os destaques

A chegada de um novo produto financeiro voltado ao agronegócio a partir de agosto deve balançar o mercado de capitais nos próximos meses. O registro de ofertas de Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagros) poderá ter início nesta semana e a expectativa é que as primeiras tenham foco no investidor geral e no segmento imobiliário, especialmente em ativos direcionados a crédito, como Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) e Imobiliário (CRIs).

A estreia deve funcionar como um teste, já que a regulação criada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vai permitir os registros dos Fiagros somente de forma provisória e experimental. Na avaliação de advogados especializados em mercado de capitais ouvidos pelo InfoMoney, as primeiras ofertas serão uma maneira das gestoras verificarem o apetite dos investidores e tatear o mercado.

O novo produto promete chegar às prateleiras com isenção de Imposto de Renda para pessoa física e sem come-cotas, segundo a Lei nº 14.130/2021, que rege os Fiagros e que foi aprovada no começo deste ano.

De acordo com informações disponíveis no site da CVM nesta segunda-feira (02), duas gestoras já haviam protocolado o pedido de registro de Fiagros: Santa Fé Investimentos e Riza Asset Management. Os fundos de ambas são voltados para o público geral, com oferta via Instrução CVM 400, e são Fiagros do tipo imobiliário.

No caso da Santa Fé, o fundo poderá investir em ativos de renda fixa, como CRAs e LCAs, além de CRIs que tenham como garantia créditos imobiliários de imóveis rurais, segundo informações do prospecto preliminar disponível na CVM.

O fundo também poderá investir em cotas de fundos de direitos creditório, imobiliários e que invistam em cadeias produtivas da agroindústria, desde que mais de 50% do patrimônio desses produtos esteja em ativos do tipo imobiliário.

O Fiagro da Santa Fé ainda poderá destinar recursos a imóveis rurais destinados à produção de grãos, cana, fibras, além de armazenagem e outras etapas da cadeia da agroindústria.

De acordo com o prospecto, a taxa de administração pode chegar a 0,14% ao ano, a depender do patrimônio líquido, e a expectativa da gestora é captar R$ 500 milhões.

A Riza, por sua vez, pretende captar perto de R$ 350 milhões. Seu Fiagro deve ser mais voltado a crédito e aplicar essencialmente em CRAs, especialmente aqueles já negociados no mercado secundário e com boa liquidez, ainda que certificados originados pela própria gestora não sejam descartados, conforme apurou o InfoMoney. A taxa de administração deve ficar em torno de 1,15% ao ano.

Armazem. Armazenagem. Silo --
Foto: Wenderson Araujo/Trilux

13 ofertas de Fiagro a caminho

A lista dos fundos que irão a mercado deve aumentar em breve. De acordo com fontes de mercado, pelo menos mais 13 ofertas de Fiagro estão em fase de estruturação, algumas em estágio ainda inicial. Embora haja pressa para colocar o produto logo no mercado, advogados disseram que a maior parte das ofertas terá como foco uma base pulverizada de cotistas e portanto, deve ocorrer via oferta CVM nº 400.

Como o processo costuma ser mais demorado do que o de uma oferta restrita (Instrução CVM nº 476), em que há dispensa de registro na CVM, é esperado que boa parcela dos Fiagros só venha a mercado entre setembro e outubro deste ano.

Há também fundos que deverão sair via ofertas restritas, que são voltadas apenas para 50 investidores profissionais, isto é, com pelo menos R$ 10 milhões em aplicações financeiras.

Hoje, a norma publicada pela CVM estabelece que três tipos de Fiagros podem ser negociados em bolsa ou em mercado de balcão organizado:

  • Fiagro – Direitos Creditórios, fundos de investimento voltados para a agroindústria que apliquem em direitos creditórios;
  • Fiagro – Imobiliários, fundos com ativos imobiliários, como Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs); e
  • Fiagro – Participações, fundos de investimento em participações.

Segundo a regulamentação provisória da CVM, os Fiagros não podem ser híbridos, por enquanto. Sendo assim, os produtos precisam ser inseridos dentro de uma das três “caixinhas”: direito creditório, ativos imobiliários e fundos de investimentos em participações.

touros jovens nelore da prova de avaliacao - nucleo embrapa cerrados
Foto: Byanka Bueno / Núcleo Embrapa Cerrados

De olho em abarcar um mercado que ainda é pouco acessível a investidores de varejo, especialistas apontam que os Fiagros imobiliários podem representar uma opção interessante para quem deseja diversificar a carteira.

“Hoje, os CRAs estão nas mãos de investidores institucionais e não há fundos especializados nesse tipo de produto, porque há incidência de Imposto de Renda. Com o Fiagro, há a vantagem de diversificar sem ter a cobrança de IR [assim como ocorre quando a pessoa física adquire um CRA]”, pontua Paulo Prado, gestor da área de agronegócio da Riza Asset Management.

Outro ponto destacado por especialistas é que atualmente os CRAs são mais restritos a investidores qualificados, ou seja, aqueles que possuem ao menos R$ 1 milhão em aplicações financeiras. Logo, por meio desses fundos, investidores de varejo teriam uma opção mais acessível para alocar em crédito voltado ao agronegócio.

O advogado diz ainda que, como a CVM editou a resolução em caráter provisório e experimental, as gestoras devem aproveitar a janela criada para lançar vários Fiagros, verificar a demanda e entender melhor como funciona o investimento.

“Acredito que ainda há algumas dúvidas, mas isso vai ser objeto de amadurecimento do produto e da própria CVM. Apesar disso, vejo como benéfico o fato de a instituição reguladora ter publicado essa norma.”

Reforma tributária – Um ponto de atenção para o mercado é o fato de a tal janela para registros de ofertas de Fiagros ocorrer ao mesmo tempo em que o Congresso aprecia o projeto de lei da reforma tributária. Ainda que o parecer tenha esclarecido alguns aspectos importantes sobre o Fiagro, com a interpretação de isenção tributária nos dividendos a exemplo dos fundos imobiliários e ausência de come-cotas, especialistas destacam que existe uma preocupação de mudança repentina, com impacto sobre as captações em curso.

Adaptado de Infomoney

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.