Governo garante que não faltará carne no Brasil

Governo garante que não faltará carne no Brasil

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Anúncio foi feito pela Ministra Tereza Cristina durante um evento, onde ela ela ressaltou que “tem carne para todo o Brasil”; será que não faltará carne?

Há algumas semanas, os consumidores estão sentido no bolso o aumento do preço da carne bovina. Quem procurou os açougues notou que produto ficou mais caro. Em Rio Branco, o quilo do filé chega a R$ 40.

Samuel Borges do Santos é dono de um restaurante e chega a comprar 80 quilos do produto todos os dias. Ele diz que foi preciso repassar o aumento aos clientes. “Com certeza, se passam pra gente, temos que repassar ao nosso consumidor, se não a gente não consegue manter”, lamentou.

Fiquem todos absolutamente tranquilos, tem carne para todo o Brasil

Tereza Cristina

Tereza Cristina disse que cabe ao mercado encontrar o equilíbrio nos preços entre a oferta e a procura, sem interferência do Mapa. “Isso é mercado. Não tem o que a gente fazer no momento”. A ministra também descartou falta de carne para consumo interno. “Fiquem todos absolutamente tranquilos, tem carne para todo o Brasil”, acrescentando que o país dispõe de um rebanho de mais de 215 milhões de cabeças.

Para os açougues, o aumento foi de quase 40%. O quilo que era comprado por R$ 8,50 por exemplo, passou para R$ 11,50.

Para não perder os clientes, o Airton da Costa investiu no estoque de frangos.

“Prejuízo. A gente fica até meio sentido porque aumentou demais a carne. Vendia o bife a R$ 15, agora tem que vender de R$ 18. As pessoas estão procurando frango que tá mais barato”, contou.

O preço da carne para o consumidor final está diretamente ligado ao aumento no preço da arroba bovina que subiu cerca de 20% em todo Brasil, principalmente, por conta da exportação para o mercado Chinês.

“Vários fatores influenciaram esse preço da arroba, principalmente, a exportação para a China que está vivendo um problema com a carne suína. Tiveram que abater quase metade de seu rebanho por uma questão de doença e passou a ser grande compradora de carne bovina também”, disse Assuero Venorez, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Acre.

Ainda de acordo com Veronez, esse fato ocorreu justamente quando o centro-oeste, que é o maior produtor de carne do país, sofreu um problema climático de seca que se alongou.

“É habitual entressafra, também nos últimos anos, pelo preço muito baixo da carne, houve um abate exagerado de fêmeas porque o negócio não estava conseguindo pagar a conta. Então vende-se a fêmea que vai faltar para o bezerro depois lá na frente”, acrescentou.

Além disso, ele reforça que o aumento na demanda de fim de ano, circulação do FGTS, também contribuíram para uma escassez de boi para o abate o que teria motivado o aumento no preço.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com