Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Inep culpa Bolsonaro por “demonização do agro” na prova do Enem

Presidente do Inep diz que Enem ‘não demoniza o agronegócio’; O edital que selecionou os elaboradores para da prova do Enem 2023 foi feito em 2020, durante o governo Bolsonaro, justificou o Inep

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Manuel Palácios, afirmou nesta quarta-feira, 8, que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) não demoniza o agronegócio e defendeu o instituto das acusações de viés ideológico na prova. De todas as questões que caíram no primeiro dia do Enem 2023, 86% foram elaboradas durante o governo Jair Bolsonaro (PL)

Palácios foram chamados à comissão de educação da casa para falar sobre o exame, alvo de ataques de políticos de direita e da bancada ruralista. Essa é a primeira edição do Enem sob este mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A prova continua no próximo domingo (12). No domingo, 5, questões que citavam a competitividade e o agronegócio foram alvo de fortes críticas por especialistas, que viram “viés doutrinário” e “esquerdismo raso” nas perguntas. A Frente Parlamentar da Agropecuária quer a anulação das questões da prova.

O debate ocorreu na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados por acordo, sem aprovação dos requerimentos pedindo o comparecimento de Palácios. O presidente da comissão, Moses Rodrigues (União-CE), informou que houve acordo para o comparecimento do ministro da Educação, Camilo Santana, a uma audiência pública conjunta das comissões de Educação; de Fiscalização Financeira e Controle; e de Agriculgura, no próximo dia 22, para tratar do mesmo tema.

Questões sobre agronegócio foram elaboradas na gestão de Bolsonaro, afirma o Inep

As questões do Enem são produzidas por professores universitários a partir de editais modificados pelo governo. Ainda passam por um longo processo de revisão e validação de uma comissão. Professores da educação básica e universitários selecionados por meio de chamada pública elaboram os itens da prova, lembrou Palácios.

Ele também afirmou que não há interferência do governo na prova. Segundo o presidente do Inep, as questões que constam no Enem deste ano foram produzidas ainda na gestão Jair Bolsonaro (PL). O governo Bolsonaro fez o edital que selecionou os elaboradores para o Enem 2023 em 2020.

“Nós estamos falando de professores que foram selecionados em 2020 e que estão exercendo essa atividade até hoje. Se há algum tipo de seleção enviesada, ela vem sendo enviesada há muito tempo”, disse o presidente do Inep. “Na verdade, não há nada além da seleção pública de profissionais da educação por meio de critérios objetivos de currículo”, reforçou.

deputado Sargento Gonçalves (PL-RN) criticou a questão do Enem que abordou fatores negativos do agronegócio no Cerrado, mencionando, por exemplo, a “superexploração” dos trabalhadores e as “chuvas de veneno” (em referência ao uso de agrotóxicos). Ele criticou o elaborador da questão: “Com propósito puramente ideológico, ele impõe ao candidato daquele certame ou que pense igual a ele, que elaborou a prova, ou perca aquela questão.” 

Já o deputado Zucco (Republicanos-RS) afirmou em fala que “o governo transformou o Enem numa prova doutrinária sobre racismo, feminismo, ditadura militar e violência de gênero”. O parlamentar, defensor do agronegócio, criticou a citação de autores de esquerda na prova. Ele também disse que a prova não é equilibrada com a citação de autores conservadores.

Defesa do Inep

Ele ressaltou, na Câmara, que “a resposta correta não depende de opinião” e tem relação com a avaliação de habilidades cognitivas. Disse ainda que os textos escolhidos pelos modificados são extraídos de fontes legítimas e reconhecidas pela comunidade científica e que a composição das equipes de elaboração é feita com critérios públicos.

Inep - Enem
Presidente do Inep Manuel Fernando PalaciosFoto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Palácios também defendeu, mais uma vez, a pluralidade da prova e a normalidade de que os temas do exame causam controvérsia. “Ciências humanas lidam com problemas da sociedade, então tendem a ser mais provocadores do que outros temas”, diz. “[Há] trechos que são claramente liberais e estão presentes na prova, mas também não é questão que importe”.

Sobre as acusações de que a prova teria sido usada para atacar o agronegócio, Palácios disse que não houve esse objetivo e insistiu que o foco é avaliar habilidades cognitivas de compreensão. “É claro que o Enem não demoniza o agronegócio, é claro o Inep não demoniza o agronegócio, é claro que todos registramos a imensa importância do agronegócio para o país. Mas isso não precisa ser aqui, é um tanto óbvio e não parece ser um tema relevante nessa discussão”, disse.

Os itens do Enem são elaborados por professores de fora do Ministério da Educação (MEC) e depois pré-testados para ver se são eficientes para compor a avaliação. Por meio de chamada pública, o Inep constitui um grupo de colaboradoresm que formula as perguntas que vão compor o Banco Nacional de Itens (BNI). O BNI é utilizado na confecção de diversas avaliações do Inep e não apenas do Enem.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM