Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Migração de milhões de aves na Califórnia traz ameaça de gripe aviária ‘sem precedentes’

Existem 144 tipos conhecidos de vírus de aves, a maioria deles leves. Assim como os vírus humanos, eles circulam pelo mundo e aparecem em lugares diferentes.

Anualmente, durante a temporada de migração de outono, 5,4 milhões de aves aquáticas descem para a Califórnia , enquanto pássaros do Canadá e do Alasca seguem para o sul em uma corrente aérea transnacional conhecida como Pacific Flyway.

Este ano, a chegada das aves também traz preocupação. Uma nova gripe aviária está circulando, e isso significa problemas para galinhas, aves selvagens e até mamíferos.

“A previsão é que seremos martelados nos próximos meses”, disse Maurice Pitesky, que monitora e prevê vírus de aves na Universidade da Califórnia, Davis.

Existem 144 tipos conhecidos de vírus de aves, a maioria deles leves. Assim como os vírus humanos, eles circulam pelo mundo e aparecem em lugares diferentes.

A gripe deste ano, conhecida como H5N1, veio da Europa, dizem os cientistas. Desde sua primeira detecção nos EUA em janeiro, em um pato selvagem na Carolina do Norte, o vírus de alta patogenicidade se espalhou rapidamente pelo país. Na Califórnia, a cepa foi reconhecida pela primeira vez em gansos e pelicanos no Vale Central em julho deste ano. Desde então, mais de 10 municípios do estado têm casos documentados.

“Geograficamente falando, estamos lidando com algo sem precedentes”, disse Pitesky. “Isso só vai acelerar nos próximos dois meses.”

Até agora, o pior ano em termos de Influenza Aviária para a América do Norte ocorreu entre 2014 e 2015, quando 50 milhões de galinhas e perus foram mortos, seja pelo próprio vírus ou abatidos para impedir o avanço da gripe – algo conhecido na indústria avícola como despovoamento.

Foto: Divulgação

Em comparação com aquele ano, o surto atual é o pior de todos: então, 15 estados dos EUA foram afetados, mas agora já foram afetados 41 estados e 47 milhões de aves .

Os EUA são um grande produtor e exportador de frangos, portanto, a perda de aves neste outono terá um impacto nos preços dos alimentos, disse Pitesky. “A inflação de alimentos já é um problema e isso atuará como uma pressão adicional na cadeia de suprimentos.”

Além de afetar aves selvagens e as criações industriais e domésticas, o vírus H5N1 também é um perigo para outras espécies selvagens. Linces, guaxinins, raposas e até focas e golfinhos estão ficando doentes. “Há tanto vírus no ambiente que está se espalhando por toda parte”, disse Pitesky.

Despovoamento, quarentena ou vacina

As medidas que limitam a propagação do H5N1 são limitadas, dizem os cientistas.

A propagação da gripe é em grande parte impulsionada por aves selvagens, especialmente aves aquáticas selvagens, como patos e gansos, disse Steve Lyle, porta-voz do departamento de alimentos e agricultura da Califórnia.

A destruição do habitat está fazendo com que doenças como o H5N1 se espalhem mais rapidamente. As aves aquáticas migratórias passam apenas 5% do dia voando, apontou Pitesky, e a maior parte do tempo empoleiradas em habitats como campos inundados ou pântanos. Esse tipo de ambiente foi ocupado principalmente por humanos, o que significa que mais espécies estão se aglomerando em menos espaço e interagindo mais.

Como a migração de patos e gansos acaba infectando galinhas é uma questão em aberto. Os criadores de galinhas orgânicas têm seus rebanhos ao ar livre, por isso correm maior risco de transmissão de doenças por meio de fezes ou contato no solo. Agricultores convencionais podem não ver pássaros selvagens em seus celeiros – mas pardais e pássaros canoros podem encontrar o caminho para pegar comida ou água, e esses pássaros canoros podem ter contato com aves aquáticas. Ou os agricultores podem estar disseminando o vírus através de suas botas ou pneus de caminhão.

Uma vez que um vírus esteja circulando, existem apenas três ferramentas para controlá-lo em animais: despovoá-los, colocá-los em quarentena para evitar que se movam e vacinação.

Mas sem vacina contra a gripe aviária disponível, restrições comerciais que proíbem a exportação de aves vacinadas e os desafios logísticos de colocar aves migratórias em quarentena, as autoridades realmente têm apenas uma opção principal: matar as aves afetadas.

Para Kristen Schuler , ecologista de doenças da vida selvagem da Universidade Cornell, em Nova York, não há muito a ser feito além de monitorar a situação. Com as aves selvagens, “não temos como sair e vacinar todas as aves, não temos como dar-lhes antibióticos e não temos como realizar abater em massa”, comenta ela.

Schuler afirmou que os pesquisadores encontraram aves que testam positivo para H5N1, mas são saudáveis – um sinal de que algumas aves podem estar se adaptando a viver com o vírus. “Temos a mentalidade agora de que é algo que veio para ficar”, disse ela, “e estamos em um modo de esperar para ver”.

Ela apontou o vírus como outro estressante para as aves cujas vidas já são desafiadas pelas mudanças climáticas, como aves marinhas ou águias americanas: “Sua capacidade de lidar com outros desafios, seja o desenvolvimento de projetos de energia eólica ou novos vírus, pode causar desafios adicionais.

“Se continuarmos a desafiar a vida selvagem com coisas novas, isso começará a ter um impacto em larga escala.”

Pitesky lembra que a gripe aviária é endêmica em si mesma e, com o tempo, o vírus provavelmente se adaptará ao seu hospedeiro e se tornará menos virulento, espalhando menos vírus no meio ambiente. “Acho que aprendemos a conviver com isso e as aves aquáticas se adaptarão a isso”, diz ele. “Mas periodicamente teremos esse pop-up.”

Fonte: The Guardian

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM