Minerva compra frigorífico colombiano, bom ou ruim?

Minerva compra frigorífico colombiano, bom ou ruim?

PARTILHAR

O grupo fechou ontem um acordo para a aquisição do frigorífico colombiano Vijagual, por US$ 14 milhões, empresa aumenta sua atuação!

Maior exportadora de carne bovina da América do Sul, a brasileira Minerva Foods deu mais um passo para expandir a atuação na região. O grupo fechou ontem um acordo para a aquisição do frigorífico colombiano Vijagual, por US$ 14 milhões. Com isso, a companhia brasileira dobra a capacidade no país.

Em entrevista ao Valor, o diretor financeiro da Minerva, Edison Ticle, ressaltou que o negócio representa apenas uma “oportunidade pontual” e com impacto irrelevante sobre o endividamento. Não há um novo ciclo de aquisições no radar, assegurou. O foco da empresa continua sendo distribuir dividendos.

“Era uma oportunidade única, bastante criadora de valor para a companhia. E o mais importante é que não afeta a alavancagem”, disse o executivo. Em 31 de junho, o índice de alavancagem (relação entre a dívida líquida e o Ebitda) da Minerva estava em 2,6 vezes. A intenção, já declarada, é conseguir fechar o ano com o indicador abaixo de 2,5 vezes, o que permitirá distribuir 50% do lucro aos sócios – acima do mínimo legal de 25%.

Além do valor pouco relevante para o porte do empresa brasileira – que fatura mais de R$ 19 bilhões por ano -, o pagamento será dilatado no tempo. Do total de US$ 14 milhões (cerca de R$ 70 milhões), a maior parte não será paga imediatamente. De acordo com Ticle, US$ 6 milhões se referem a dívidas do Vijagual que a Minerva assumirá. O restante será pago aos atuais proprietários em até cinco anos.

A expectativa da Minerva é concluir a compra em setembro. O grupo fará investimentos para fazer do Vijagual um frigorífico exportador. A unidade tem habilitação para vender ao exterior, mas não o faz.

Segundo Ticle, a Minerva prevê investir US$ 12 milhões na unidade, sendo US$ 5 milhões para ampliar, entre outras coisas, a capacidade de congelamento (fundamental para a atividade de exportação) e US$ 7 milhões em capital de giro. Considerando o valor da aquisição, a Vijagual significa um investimento de US$ 26 milhões.

Com capacidade para abater de 700 de bovinos por dia, o frigorífico colombiano ampliará a produção da Minerva no país em 93%, conforme Ticle. O frigorífico que o grupo brasileiro já possui na Colômbia está apto a abater em torno de 850 cabeças de bovinos por dia. Com apenas uma unidade no país, a Minerva tem 70% da exportação.

Ticle não abriu os dados financeiros do Vijagual, mas fontes de mercado estimam que a compra tenha saído por um múltiplo (relação entre o valor de empresa e o Ebitda) de 4 vezes. Com os planos de converter a unidade para a exportação, uma atividade mais rentável, a aquisição pode ficar relativamente mais barata, dado o potencial de crescimento do faturamento e geração de caixa.

Nesse cenário, o múltiplo implícito da aquisição poderia ser de apenas 3 vezes, disse outra fonte, estimando receita de US$ 140 milhões em 2021. Perguntado sobre as projeções, Ticle não confirmou.

O executivo reconheceu, no entanto, que a exportação tende a valorizar os negócios como um todo na Colômbia. Atualmente, a planta da Minerva no país vende, principalmente, para Oriente Médio e Rússia. Mas há grande expectativa de que a China, um dos mercados mais rentáveis, abra seu mercado à carne colombiana no curto prazo.

O diretor da Minerva enxerga o mercado colombiano com um grande potencial de expansão para a carne bovina. De acordo com Ticle, o país detém um rebanho de 28 milhões de cabeças — o número é maior do que na Áustrália, um dos maiores exportadores da commodity no mundo.

Com informações da Valor Econômico


Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com