Momento é favorável à compra de trigo no Brasil

Momento é favorável à compra de trigo no Brasil

PARTILHAR
trigo
Foto Divulgação. Fonte: RuralSoft

Segundo o analista, Jonathan Pinheiro, da Safras & Mercado, o momento é favorável à compra de trigo no Brasil, assunto foi abordado durante a live da consultoria.

O momento é favorável para a compra de trigo por parte da indústria. A afirmação é do analista da SAFRAS Consultoria, Jonathan Pinheiro. O economista participou de live no Instagram de SAFRAS & Mercado, mediada pelo editor-chefe da Agência SAFRAS, Dylan Della Pasqua.

Conforme Pinheiro, os preços do grão, que estão consideravelmente elevados para o período, devem subir a partir da virada do ano e se manter em patamares acima do habitual. Antes disso, porém, ao longo dos meses de outubro e novembro, principalmente, as cotações devem recuar pressionadas pela entrada da oferta recém-colhida no mercado interno. Na comparação com o ano passado, o trigo no Paraná está cerca de 40% mais caro, enquanto no Rio Grande do Sul, a variação é positiva em aproximadamente 60%.

O analista ressalta, no entanto, que a queda prevista para as próximas semanas deve ser menos intensa do que o normal para o período. Isso leva em conta tanto a previsão de chuvas no PR e no RS, que devem atrasar a colheita e prejudicar a qualidade do grão, quanto a situação crítica das lavouras da Argentina, que enfrentam déficit hídrico. A projeção de safra do país vizinho já foi reajustada para baixo por várias entidades do setor.

Além disso, o câmbio tem papel fundamental na sustentação das cotações no mercado interno. Mesmo com a colheita no Brasil e uma improvável melhora na situação da Argentina, a alta do dólar em relação ao real torna mais cara a importação do grão, estimulando os produtores a elevarem suas pedidas.

A tendência, de acordo com o analista, é que a indústria busque o trigo nacional de forma antecipada. Os moinhos de grande porte já estão bem abastecidos. Na outra ponta, os produtores estão, de um modo geral, capitalizados, o que propicia um cenário mais confortável para uma barganha do lado vendedor, que pode esperar mais para negociar.

“Esses são fatores que também sustentam o mercado. Os preços vão recuar nas próximas semanas, mas nem tato. Acreditamos que preços acima dos R$ 1.000,00 por tonelada ao longo da temporada são bastante prováveis. Na Argentina os preços também serão mais elevados. A situação por lá deve piorar ainda mais”, projetou o consultor.

Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.