‘Nanofertilizante’ promete elevar produtividade das lavouras

‘Nanofertilizante’ promete elevar produtividade das lavouras

PARTILHAR
nascimento-soja-lavoura-palhada-plantio-direto
Foto: Eng. Agrônoma Lidiane Ortiz

Pesquisas baseadas em nanotecnologia iniciadas há uma década na Coreia do Sul poderão ajudar a elevar a produtividade nas mais diferentes lavouras no Brasil.

A partir da manipulação de micronutrientes conhecidos, como boro e cobalto, e da interação dessas substâncias com um corante orgânico, cientistas sul-coreanos chegaram a uma molécula fotocatalítica capaz de “energizar” uma planta, otimizar seu processo de fotossíntese e, com isso, melhorar seu rendimento.

O empresário Carlos Lee, que nasceu na Coreia do Sul e veio para o Brasil em 1976, com nove anos, conheceu esses cientistas há cinco anos e decidiu trazer a inovação para o país. Há quatro anos abriu em São Paulo a empresa binacional QBN Tecnologia com o sócio Edilson Lopes e um parceiro sul-coreano, fez testes conjuntos com o professor Paulo Roberto de Camargo e Castro, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq), e obteve registro no Ministério da Agricultura para a venda de dois fertilizantes, destinados a hortifrútis e grãos.

“Aplicados sobre a folha, esses nanofertilizantes funcionam como ‘placas solares’ adicionais. O produto também é um gerador de hidroxinas que podem ajudar no combate de fungos e bactérias e, segundo nossos testes, ajuda a planta a se tornar mais resistente a estresse hídrico”, diz Carlos Lee.

Em testes em vasos, de pequena escala, o empresário afirma que foram registrados aumentos de produtividade da ordem de 80% no caso do feijão e de mais de 100% com tomate. Em lavouras de grãos de escala maior, os ganhos, segundo ele, chegam a 25% na soja e a 30% no milho.

“Continuamos fazendo testes em busca de uma estabilidade de resultados, mas é possível dizer que os incrementos são de, no mínio, 15% nos grãos e 20% nos hortifrútis”, diz Edilson Lopes. No total, as pesquisas e testes no Brasil já absorveram investimentos superiores a R$ 3 milhões. No momento, diz Lopes, a QBN está montando sua equipe de vendas para que as vendas ganhem corpo já na próxima safra (2020/21). Os produtos deverão custar o mesmo que fertilizantes foliares comuns.

As informações são do Valor Econômico.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com