Não desperdice o melhor da bezerra meio sangue Angus-Nelore

Não desperdice o melhor da bezerra meio sangue Angus-Nelore

PARTILHAR
angus e red angus
Foto Divulgação

A grande distância genética entre as raças Nelore e Angus permitem a geração de um animal cruzado realmente impressionante.

As duas raças são as maiores vendedoras de sêmen no Brasil. A boa capacidade de suportar as altas umidade e temperatura da maior parte do centro-oeste e do norte brasileiro permitem que estes animais consigam expressar as vantagens da heterose, que fazem a progênie apresentar desempenho superior às médias das duas raças utilizadas no cruzamento.

Em minha opinião as três maiores vantagens são:

  1. Aumento do potencial de ganho de peso;
  2. Aumento da precocidade sexual e de acabamento;
  3. Aumento da habilidade materna.

Se isso realmente ocorre, porque este cruzamento não tomou conta de todo o território brasileiro? Acredito que o maior desafio dos selecionadores de Angus esteja em identificar touros resistentes ao carrapato. Infelizmente, o carrapato é o grande empecilho à difusão massificada do cruzamento no Brasil. Uma fazenda infestada de carrapatos é um verdadeiro caos em termos sanitários. Problemas com miíases (bicheiras) e as perdas produtivas causadas pela anaplasmose e babesiose (doenças do complexo tristeza parasitária) são capazes de tornar a atividade um completo desespero. Isso torna a manutenção de um rebanho com fêmeas cruzadas um grande desafio.

Entretanto, também em minha humilde opinião, acredito que seja possível explorar a segunda e a terceira maior vantagem que vejo no cruzamento e que estão diretamente ligadas às fêmeas.

O grande desafio da cria brasileira é diminuir a idade ao primeiro parto das matrizes, e a fêmea cruzada consegue corrigir este problema emprenhando aos 14 meses. E se receber a nutrição adequada desmamará um excelente bezerro aos 32 meses, idade em que a maioria das fêmeas brasileiras ainda estará entrando em reprodução. Portanto, somente engodar as bezerras ½ sangue Nelore-Angus é um grande desperdício de produtividade e dinheiro.

Neste sentido iremos descrever um sistema de produção que procura explorar ao máximo os benefícios do cruzamento proporcionando um resultado por hectare acima de R$ 500,00.

Neste sistema consideramos a compra de bezerras ½ sangue Nelore-Angus à desmama, que são recriadas à pasto com suplementação proteico/energética. Elas são inseminadas aos 14 meses com sêmen de Bonsmara em uma estação de monta de 84 dias com três IATFs.

Mas por quê Bonsmara? Porque ainda é possível explorar a heterose por ser uma raça com Taurina sintética adaptada e, portanto, não tem sangue indiano, sendo muito bem selecionada para desempenho e eficiência alimentar e com excelente qualidade de carne.

Mas como vocês verão, nos preços utilizados para o valor da arroba não há premiação por qualidade de carcaça, pois preferimos demonstrar o sistema com base somente em ganhos de produtividade.

As novilhas vazias são abatidas aos 20 meses de idade. As prenhes continuam à pasto e após o parto não são mais inseminadas, sendo abatidas em junho após a desmama. Os bezerros recebem creep-feeding a partir do 5o. mês de idade. Após a desmama os bezerros e bezerras continuam sendo suplementados e, a partir de julho, são confinados por 150 dias e abatidos. E assim encerra-se o ciclo de produção.

Para exemplificar este sistema apresentamos os dados obtidos pelo Grupo Katispera, fornecidos por Diego Pallucci Pantoni:

  • Machos filhos de touros Bonsmara em fêmeas ½ sangue Nelore-Angus
  • Entrada no confinamento com 9 meses, em agosto de 2016, com 301,63 Kg
  • Saída do confinamento com 14 meses, em dezembro de 2016, após 148 dias com 545,8 Kg
  • Ganho de peso 1,670 kg/dia, rendimento de carcaça 53,52% e peso de carcaça 19,47@

Leia mais:

Figura 1. Sistema de cruzamento com abate das mães após à desmama e abate dos filhos aos 14 meses em confinamento

Fonte: Autor

Tabela 1. Cronograma de atividades.

Fonte: Autor

Tabela 2. Premissas zootécnicas e financeiras.

Fonte: Autor

Tabela 3. Avaliação financeira.

Fonte: Autor

Como dissemos, não foi adicionado bônus ou prêmio por qualidade de carcaça ou de carne. Entretanto, se considerarmos um prêmio de 5% sobre o valor da arroba do boi para todos os animais abatidos, tanto machos quanto fêmeas, e diminuirmos os pesos dos machos de 20 para 18 @ pelo fato de castrarmos estes animais para atingir a qualidade de carcaça necessária, o resultado passa para R$ 758,92!

São essas vantagens que me motivam a recomendar este sistema. Isso não quer dizer que seja o único e o melhor, mas é o que conhecemos e já temos boas referências.

Uma outra boa raça para se obter a fêmea ½ sangue Nelore é a Hereford. Essa raça me chama a atenção por ter um projeto de pesquisa desenvolvido pela Embrapa Pecuária Sul, que considero de extrema relevância, que é a Seleção Genômica para resistência ao carrapato bovino.

Os estudos iniciais mostram que realmente há variabilidade entre os indivíduos e que é possível selecionar para esta característica. Como dissemos, identificar touros excelentes em desempenho e que também sejam resistentes ao carrapato é imperativo para o aumento do cruzamento no Brasil, o que viabilizaria o verdadeiro aproveitamento das vantagens da tecnologia.

Vale ressaltar, a seleção deve ser feita para o que realmente importa.

Grande abraço e inté!

A fêmea F1 é uma “grande oportunidade” que o pecuarista encontrou

Fonte: Scot Consultoria

-- conteúdo relacionado --

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com