No Dia Nacional da Pecuária, arroba aponta queda de 7,2%

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Nessa quarta-feira, 13, o Indicador fechou a R$ 270,50, queda de 7,24% no acumulado da parcial deste mês. Até onde vai a queda dos preços da arroba?

Os preços do boi gordo seguem em queda no mercado interno, pressionados sobretudo pela retração de compradores. No caso, com a suspensão das exportações para a China, com o autoembargo, após os casos atípicos de vaca louca, os preços completam hoje 40 dias de uma trajetória de desvalorização da arroba paga ao pecuarista brasileiro. Um dia que era para ser de comemoração, o Dia Nacional da Pecuária, infelizmente a arroba acumula uma queda de 7,2%; Veja!

Atualmente, segundo os dados do IBGE, o rebanho bovino cresceu pelo segundo ano consecutivo em 2020, após dois anos seguidos em queda, segundo a Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM). O país possuí o maior rebanho comercial do mundo, a pecuária de corte se destaca como maior exportador de carne bovina, com quebra de recordes.

No caso dos bovinos, a alta de 1,5% garantiu a marca de 218,2 milhões de cabeças de gado, segundo maior rebanho da série histórica iniciada em 1974. A alta do preço do boi gordo, do bezerro e o crescimento nas exportações de carne contribuíram para o aumento do rebanho no ano de 2020, já que o produto esteve mais valorizado.

Entretanto, a situação não segue da forma desejada pelos pecuaristas. Segundo pesquisadores do Cepea, os players do mercado estão incertos quanto ao comportamento das demandas externa e interna pela carne bovina.

Do lado vendedor, especialmente diante dos elevados custos de produção, pecuaristas evitam negociar novos lotes a preços mais baixos. Esse cenário, por sua vez, vem travando as negociações envolvendo o boi gordo. Nessa quarta-feira, 13, o Indicador fechou a R$ 270,50, queda de 7,24% no acumulado da parcial deste mês.

Trouxemos abaixo uma lista com os TOP 5 municípios com maior rebanho no país, confira!

Não poderia ser diferente, para se ter uma ideia, Mato Grosso e Goiás mantiveram-se com os maiores rebanhos bovinos do país e, juntos, foram responsáveis por 25,8% do efetivo nacional. Mato Grosso elevou seu efetivo em 2,3%, totalizando 32,7 milhões de animais. Goiás teve alta de 3,5% e fechou o ano de 2020 com 23,6 milhões de cabeças de gado.

Em terceiro vem o Pará, com 22,3 milhões, crescimento de 6,3%. Em quarto, perdendo a terceira posição para o Pará, veio Minas Gerais, com alta anual de 6,6% em seu rebanho, totalizando 22,2 milhões de cabeças.

Entre as grandes regiões, o maior crescimento em número absoluto de rebanho bovino ocorreu no Norte: 5,5%, ou mais 2,7 milhões de cabeças, somando 52,4 milhões. O Centro Oeste respondeu por 34,6% do total (75,4 milhões).

São Félix do Xingú (PA) continua com o maior rebanho bovino do país

O maior rebanho continua em São Félix do Xingú (PA): 2,4 milhões de cabeças e alta de 5,4%, no ano.  Corumbá (MS) veio a seguir, com 1,8 milhão. Com alta de 11,8% em seu rebanho (1,3 milhão de bovinos), Marabá (PA) subiu da quinta para a terceira colocação.

Quando avaliamos o TOP 5 municípios com maior rebanho, observamos que existe uma tendência de crescimento no PA, com destaque para Marabá que saltou três posições. Sendo assim, somando os rebanhos, as duas cidades do estado são responsáveis por mais de 3,5 milhões de bovinos.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com