Obsessão dos americanos por carne vermelha está ficando mais forte

PARTILHAR
Foto: Divulgação

A carne bovina é a mais vendida na América e a que mais cresce em termos de vendas. As vendas aumentaram 23,7% ano a ano, para US$ 30,3 bilhões em 2020

O caso de amor americano com a carne bovina está cada vez mais forte. E isso está alimentando uma crise, de acordo com especialistas ambientais.

A carne bovina é a carne mais vendida na América e a que mais cresce em termos de vendas. As vendas de carne bovina aumentaram 23,7% ano a ano, para US$ 30,3 bilhões em 2020.

“Em março de 2021, a carne bovina teve o maior aumento em relação aos níveis normais pré-pandemia (2019) de todas as áreas da loja – à frente de frutos do mar, frutas e chocolate”, disse Anne-Marie Roerink, fundadora da empresa de pesquisa de mercado 210 Analytics.

“Além disso, hambúrgueres junto com pizza e asas de frango foram potências na retirada e entrega de restaurantes em 2020”, continuou Roerink.

Apesar das vendas disparadas, há uma crença crescente de que o reinado da carne bovina na dieta americana está ameaçado.

Isso está alimentando a tensão entre os amantes de carne bovina americanos e especialistas em clima, bem como restaurantes e publicações de alimentos que estão sob crescente pressão para se posicionar sobre a carne vermelha.

Essas tensões foram destacadas quando circularam falsas alegações de que o presidente Joe Biden planejava enfrentar a crise climática forçando os americanos a cortar 90% da carne vermelha de suas dietas.

Enquanto isso, em movimentos não relacionados, alguns restaurantes e publicações de alimentos reduziram sua dependência da carne bovina.

Em maio de 2021, o icônico restaurante requintado Eleven Madison Park disse que estava cortando carne e peixe de seu cardápio. Além disso, a Epicurious anunciou que não publicaria novas receitas com carne bovina. A publicação de alimentos disse que parou de fazer receitas com carne vermelha há mais de um ano, em um esforço para promover a sustentabilidade.

A decisão de Epicurious desencadeou uma explosão de discurso online, desde aqueles furiosos com a perda da carne até pessoas que achavam que a medida não era suficiente para lidar com a crescente crise climática.

O incidente destaca um enigma do discurso sobre o consumo de carne bovina nos Estados Unidos: os indivíduos sentem que suas escolhas estão sob ataque, apesar do fato de que as pessoas estão comendo mais carne do que nunca – exatamente o que os especialistas dizem que precisamos parar de fazer.

Especialistas dizem que os americanos precisam comer menos carne bovina. Isso não está acontecendo.

Há um caso forte a ser feito contra a carne bovina. A agricultura é a fonte de 10% de todas as emissões dos EUA, com o gado respondendo por 62% desse número, relata o Washington Post. Um estudo de 2013 da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação descobriu que a cadeia de suprimentos da pecuária é responsável por 14,5% de todas as emissões causadas pelo homem.

“Realmente não há como contornar isso”, disse Marco Springmann, pesquisador em saúde populacional do Programa Oxford Martin para o Futuro da Alimentação da Universidade de Oxford, ao Insider em 2019. “Se queremos ter uma pequena chance de evitar níveis perigosos de mudança climática… então temos que mudar a maneira como comemos.”

Sem surpresa, a indústria da carne não promove o consumo de menos carne bovina.

Em vez disso, os produtores de carne estão comercializando soluções para a crise climática que não reduziriam as vendas, como a implantação de novas políticas de sustentabilidade e a criação da Mesa Redonda dos EUA para Carne Sustentável. Os produtores de carne frequentemente apontam para o fato de que a queima de combustíveis fósseis é uma fonte de emissões maior do que a agricultura.

Roerink disse que a reação contra a carne bovina fez pouco para impactar as vendas e que “a grande maioria dos americanos vê a carne vermelha como permissível e favorável e a consome com moderação”.

Em pesquisas e nas mídias sociais, as pessoas podem dizer que querem cortar a carne vermelha de sua dieta. Mas, os números de vendas contam uma história diferente.

“Na realidade, os americanos ainda amam sua carne vermelha”, disse Roerink.

Se a grande maioria dos americanos está comendo mais carne bovina do que nunca, as empresas que influenciam suas escolhas – como publicações de alimentos – têm o imperativo moral de nos convencer a cortar?

Emily Atkins, fundadora do boletim informativo Heated, centrado na crise climática, aplaudiu a decisão da Epicurious de parar de publicar novas receitas de carne bovina à medida que uma “guerra da carne” americana se aproxima. O repórter ambiental twittou que a medida “ajudará a normalizar e facilitar uma das mudanças culturais mais difíceis que a resolução da crise climática exige”.

Editores da Epicurious escreveram em um post sobre sua decisão de cortar receitas de carne bovina que esperam que “o resto da mídia alimentar americana se junte a nós”. Mas nenhuma outra publicação de alimentos anunciou planos para fazê-lo até agora.

Um representante da Condé Nast não respondeu ao comentário da Insider sobre se a marca irmã Bon Appétit também cortaria carne bovina, mas uma receita de estrogonofe de carne de março parece indicar que ela permanece no cardápio. O New York Times também não respondeu quando perguntado se sua seção de culinária ajustaria sua seleção de receitas, mas ainda não parece ter feito nenhuma alteração.

A mudança ainda pode estar se formando, já que especialistas discutem como a sustentabilidade deve informar a mídia alimentar.

Marnie Shure, editora-chefe do The Takeout, disse ao Insider que a publicação de alimentos de propriedade da G/O Media decidiu analisar seus arquivos de receitas à luz das notícias Epicurious. Das cerca de 185 receitas publicadas em 2020, apenas oito receitas originais e três receitas reimpressas usaram carne bovina ou caldo de carne.

Shure disse que, na história da publicação, ninguém jamais reclamou da escassez de receitas com carne bovina. Embora não haja planos para proibir receitas de carne bovina, Shure disse que é apenas porque elas são uma parte relativamente pequena do que o site publica.

“Se estivéssemos produzindo um volume maior de receitas à base de carne bovina, suína ou de frango, isso exigiria uma conversa sobre como ajustar nossa produção”, disse Shure por e-mail. “Mas, historicamente, a maior demanda tem sido por receitas que não contêm carne, então nos encontramos convenientemente nos afastando de pratos com carne de qualquer maneira”.

Erin Booke, editora de alimentos do Dallas Morning News, disse ao Insider que a publicação do Texas não encerrará a cobertura de carne bovina tão cedo. Brooke disse sentir que reduzir a cobertura de carne bovina no Texas, estado obcecado pela carne, faria mais mal do que bem.

“Provavelmente somos excessivamente dependentes de carne bovina? Sim”, disse Brook. “Nós celebramos demais o consumo dela? Sim, provavelmente. Eu estou pensando em apenas ter equilíbrio.”

A carne bovina é uma escolha prática para muitos consumidores de carne

Brooke disse que, para muitos texanos, amar carne vermelha é mais do que apenas uma decisão alimentar. A indústria da carne bovina é uma parte importante da economia, carregando um peso histórico e cultural adicional para muitas comunidades do estado.

“É quase parte da identidade aqui”, disse Brooke. “Temos tanto churrasco e peito. É apenas parte do Texas.”

Brooke diz que teme que movimentos como o de Epicurious sejam politizados. Alguns políticos republicanos alimentaram temores de que os democratas banirão a carne, com conservadores como Lauren Boebert e Marjorie Taylor Greene pressionando falsas alegações de que Biden reduziria o consumo de carne bovina.

Mas para muitas pessoas, comprar carne bovina é uma escolha prática – e não política -, com Roerink chamando-a de “versátil, acessível e conveniente”.

“A realidade é que as alternativas de carne são muito mais caras do que a carne, incluindo a carne bovina”, disse Roerink, observando que a Epicurious promoveu os cachorros-quentes veganos Lightlife em seu post sobre a eliminação de receitas de carne bovina. “De acordo com os dados do IRI, o preço médio por libra da carne nos EUA em 2020 foi de US$ 3,79 por libra versus US$ 7,97 por libra para alternativas à base de plantas. Essa é uma grande diferença que nem todos podem pagar.”

No ano passado, as pessoas que já compravam carne bovina começaram a comprar mais e as famílias que não compravam carne bovina anteriormente compraram pela primeira vez, de acordo com Roerink. As pessoas têm cozinhado mais em casa durante a pandemia, e muitas só ficaram mais confortáveis ​​preparando carne bovina.

“Espero que a participação da carne bovina permaneça forte, se não crescer ainda mais”, disse Roerink.

Fonte: BeefPoint

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com