Onda de frio polar mata gado nos Estados Unidos

Onda de frio polar mata gado nos Estados Unidos

PARTILHAR

Após a morte de animais, em Oklahoma, Arthur disse que estimativas apontam que cerca de 15% nos bezerros recém-nascidos poderiam morrer.

As condições climáticas brutais deste inverno americano continuam a assolar o agronegócio do país, onde empresas e agricultores enfrentam neve, gelo e temperaturas baixíssimas que interrompem o processamento, atrapalham o transporte e provocam a morte de gado no Meio-Oeste e no sul.

O frio intenso vem provocando problemas do Kansas ao Alabama, segundo autoridades estaduais e representantes do setor. Apagões de energia obrigaram frigoríficos a fechar temporariamente, enquanto rios congelados impedem a navegação de barcaças e criadores têm que se esforçar para salvar bezerros nascidos em campos congelados.

Calcula-se que as interrupções no processamento e no transporte e as mortes de animais custarão milhões de dólares ao setor. “A Mãe Natureza é realmente uma parceira de negócios complicada, e tem sido bastante implacável nos últimos dias”, afirmou Blayne Arthur, comissária agrícola do Estado de Oklahoma.

A tempestade e suas repercussões afetaram redes elétricas, provocando blecautes sucessivos e o direcionamento dos estoques de gás natural para as residências. E as limitações no suprimento de gás levaram a Cargill, uma das maiores processadoras de carne dos EUA, a suspender as atividades em três frigoríficos no Texas na quinta-feira, segundo um porta voz da empresa. As dificuldades de transporte também desaceleraram o ritmo das operações com rações e grãos em outros Estados.

A Tyson Foods maior indústria de carne bovina dos EUA, fechou temporariamente ou reduziu as operações em algumas instalações no Arkansas por preocupação com a segurança dos funcionários e pelas limitações de energia, de acordo com um porta-voz. A Pilgrim’s Pride , outra grande processadora de frango, controlada pela JBS, suspendeu parte das operações, e a gigante de carne suína Smithfield Foods. informou instalações no Meio-Oeste foram afetadas por interrupções no fornecimento de eletricidade e água.

Produtoras de grãos também têm sentido o impacto. A falta de gás natural levou a ADM a restringir a produção em algumas unidades, segundo uma porta-voz. O acúmulo de gelo nos rios forçou algumas operadoras de barcaças de transporte de grãos a suspender as operações, disse o Waterways Council, entidade da área de transporte fluvial.

Diante da previsão de mais uma tempestade de neve, que afetaria desde o Oklahoma até a região do Médio Atlântico, autoridades agrícolas dizem que os efeitos do inverno rigoroso prolongado poderão continuar a ser sentidos por meses.

Mike Beam, secretário do Departamento de Agricultura do Kansas, disse que a onda de frio deixará os pecuaristas e frigoríficos do Estado, um grande produtor de carne, com um gado bem mais magro, uma vez que os animais gastam mais calorias para manter o calor. Em Oklahoma, Arthur disse que estimativas apontam que cerca de 15% nos bezerros recém-nascidos poderiam morrer.

Clay Burtrum, que cria gado perto de Stillwater, Oklahoma, tem passado os últimos dias percorrendo suas pastagens à procura de vacas dando à luz. Na tarde da última segunda-feira, ele disse ter colocado um bezerro recém-nascido todo molhado no banco do passageiro de sua picape, com o aquecimento no máximo, para secá-lo e devolvê-lo à mãe.

A neve e o frio também deverão causar perdas em plantações que normalmente se dão bem nos invernos moderados do sul. No Texas, campos de couve e repolho podem ter se perdido totalmente e pomares cítricos foram afetados, segundo o presidente do Departamento Agrícola do Estado, Russell Boening.

Autoridades agrícolas da Louisiana e do Alabama mostravam temor com os danos do frio aos campos de morango e com a perda de forragem para o gado, e as baixas temperaturas também ameaçam a produção de lagostins. No Arkansas, a cadeia do frango é uma das mais afetadas.  

Com informações do Valor

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.