Pode faltar arroz na próxima safra, relata maior produtor

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Ameaça à produção ocorre em momento em que países enfrentam inflação dos alimentos; redução no cultivo global pode levar a restrições nas vendas externas.

O arroz pode se tornar o próximo desafio do abastecimento global de alimentos, já que a escassez de chuva em partes da Índia, de longe o maior exportador do mundo, fez com que a área de plantio encolhesse para a menor em cerca de três anos.

ameaça à produção de arroz da Índia ocorre em um momento em que os países estão enfrentando o aumento dos custos dos alimentos e inflação em escalada. A área total de arroz plantada nesta temporada diminuiu em 13% até agora devido à falta de chuvas em algumas áreas, incluindo Bengala Ocidental e Uttar Pradesh, que respondem por um quarto da produção indiana.

A preocupação dos operadores é que uma queda na produção de arroz complicará a luta contra a inflação no país e desencadeará restrições às exportações. Tal movimento terá implicações de longo alcance para os bilhões de pessoas que dependem do alimento básico. A Índia responde por 40% do comércio global de arroz, e o governo já restringiu as exportações de trigo e açúcar para garantir segurança alimentar e controle dos preços locais.

salto nos preços do arroz na Índia reflete a preocupação com a produção. Os preços de algumas variedades subiram mais de 10% nas últimas duas semanas nos principais estados em crescimento, como Bengala Ocidental, Odisha e Chhattisgarh, devido à falta de chuva e ao aumento da demanda de Bangladesh, afirma Mukesh Jain, diretor da transportadora Sponge Enterprises. Segundo ele, os preços de exportação também podem subir dos atuais US$ 365 para US$ 400 a tonelada até setembro.

A maior parte do arroz do mundo é cultivada e consumida na Ásia, o que torna-o vital para a estabilidade política e econômica da região. Em contraste com o aumento nos preços do trigo e do milho após a invasão russa à Ucrânia, o arroz foi subjugado devido à ampla produção e estoques, o que ajudou a evitar uma crise alimentar maior.

A colheita de arroz na Índia depende em muito do progresso das monções. Alguns cientistas estão otimistas, já que ainda há tempo para plantar e compensar parte do déficit. A previsão de chuva é normal para agosto a setembro, o que pode melhorar a produção da safra.

Já os agricultores estão menos otimistas. Rajesh Kumar Singh, 54, agricultor em Uttar Pradesh, disse que plantou arroz em apenas metade de seus sete acres (2,8 hectares) de terra devido à falta de chuva em junho e julho. “A situação é realmente precária”, disse ele.

Os preços do arroz estão sentindo pressão, disse Himanshu, professor da Universidade Jawaharlal Nehru. “Raramente qualquer semeadura acontece depois de meados de julho, então a esperança de recuperação é improvável”, disse ele, acrescentando que a queda na produção é um risco para a inflação.

O arroz pode representar um novo desafio à luta contra a inflação na Índia. Os preços ao consumidor se mantiveram acima do limite de 6% de tolerância do banco central da Índia, provocando um forte aumento nas taxas de juros. O banco central pode aumentar ainda mais os custos de empréstimos nesta semana, já que uma rupia enfraquecida compensa o impacto da queda dos preços de commodities, como combustíveis e óleos vegetais.

Foto: Divulgação

A Índia fornece arroz para mais de 100 países, com Bangladesh, China, Nepal e algumas nações do Oriente Médio entre seus maiores clientes. Para o mundo em geral, existem alguns pontos positivos quando se trata de segurança alimentar.

Os EUA estão prontos para entregar uma safra abundante de trigo nas próximas semanas, enquanto a Ucrânia finaliza sua primeira remessa de grãos desde a invasão da Rússia.

Fonte: Bloomberg

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.