Preço da arroba estável e com valor de R$ 195, veja!

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Preço da arroba segue estável, mas os animais padrão China continuam sendo comercializados acima das referências, com o país asiático bastante ativo nas compras.

Os preços da arroba do boi gordo continuam enfraquecidos, de acordo com a consultoria Safras & Mercado. O analista Fernando Henrique Iglesias afirma que os frigoríficos de maior porte seguem exercendo pressão, buscando negociar em níveis menores do que a referência média. “A estratégia recorrente segue em operar com escalas de abate encurtadas, avaliando todas as incertezas em relação a demanda”, diz.

No curto prazo, segundo a consultoria, não há sinais de repique de consumo no mercado doméstico para carne bovina, pois o isolamento social tem direcionado a demanda do brasileiro médio para cortes congelados de frango, ovos e embutidos, produtos que causam um menor impacto na renda.

No app da Agrobrazil, pecuaristas começaram a informar um número maior de animais negociados no dia de ontem, os preços seguem com uma flutuação grande, principalmente na praça de São Paulo. O maior destaque é para o mercado do Boi China, confira!

Em Iacanga/SP, o preço é de R$ 195/@ a prazo com 7 dias para pagamento e abate para o dia 23 de abril. Em Água Clara/MS, o valor foi de R$ 185/@ a prazo com 30 dias e abate para o dia 25 de abril. Já em Piracanjuba/GO, foi de R$ 190,75/@ à prazo com 25 dias e abate para o dia 15 de abril.

O Boi China, em Garça/SP, o valor foi de R$ 200/@ à vista e abate para o dia 30 ed abril. Em Assis/SP, o pecuarista recebeu R$ 203 à vista com abate para o dia 22 de abril, maior valor para a semana até o momento. Em Orlândia/SP, a Novilha Gorda foi vendida por R$ 190/@ a prazo com 30 dias e abate para o dia 23 de abril, animais podem ganhar até R$ 9/@ de bonificação no gancho.

A média na praça de São Paulo, segundo o app da Agrobrazil, tivemos uma queda de 3,11%, fechando o dia em R$ 196,80/@. Já o indicador do Cepea, ficou cotado em R$ 198,50/@. Os preços no estado de São Paulo, teve uma variação de R$ 190/@ até R$ 203/@, levando em conta os animais com Padrão China, esses chegam a receber um ágio de até R$ 15/@ a mais que os animais do Mercado Interno.

No entanto, a China segue participativa no mercado internacional e é a grande exceção neste momento de incertezas, garantindo uma boa rentabilidade aos frigoríficos habilitados. “Os animais que preenchem os requisitos para atender o mercado chinês são negociados em patamares mais altos”, aponta Iglesias.

  • Na capital de São Paulo, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 195 a arroba do boi gordo, estáveis.
  • Em Uberaba (MG), permaneceram em R$ 184 a arroba.
  • Em Dourados (MS), ficaram R$ 179/R$ 180 a arroba, inalterados.
  • Em Goiânia (GO), o preço indicado foi de R$ 180 a arroba, estável.
  • Já em Cuiabá (MT), ficou em R$ 170/R$ 171 a arroba, ante R$ 171 a arroba no dia anterior.

Segundo Scot Consultoria

Em São Paulo as ofertas de compra ficaram estáveis, com bois de R$192,00/@, vacas de R$172,50/@ e novilhas de R$185,00/@, valores à vista, livres de Funrural. Compradores bem posicionados apregoam ofertas de compra abaixo dessas referências. 

O consumo está patinando no mercado interno e a exportação tem apresentado bom desempenho. 

Na média diária, o Brasil exportou 5,9 mil toneladas de carne bovina in natura, nas duas primeiras semanas de abril (Secex). 

A cada redução de preço nas ofertas de compra, cai o volume de boiadas adquiridas e essa tem sido a tônica do mercado nos últimos dias. Em curto prazo, o cenário não deve mudar por causa do menor poder aquisitivo da segunda quinzena do mês, e da mudança de hábitos devido as medidas contra o coronavírus.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram estáveis. Há pouco estímulo para consumo de carne vermelha neste momento, de acordo com a Safras.

“O fechamento de restaurantes, redes hoteleiras e outros estabelecimentos é altamente prejudicial para o escoamento de cortes premium, enquanto diversas unidades que operam apenas no mercado interno relatam que suas câmaras frigoríficas estão lotadas”, informa.

Assim, o corte traseiro teve preço de R$ 13,50 o quilo. A ponta de agulha ficou em R$ 10,70 o quilo. Já o corte dianteiro seguiu em R$ 11,30 o quilo.

Compre Rural com informações do Agrobrazil, Scot Consultoria e Agência Safras.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com