Preço da arroba não vai cair, oferta contínua restrita!

Preço da arroba não vai cair, oferta contínua restrita!

PARTILHAR
Foto Divulgação.

As indústrias estão de toda forma tentando conter a alta da arroba, mas uma coisa ficou mais clara no mercado do boi: o preço da arroba não vai cair!

Dezembro chegou e uma coisa ficou, para muitos, ainda mais clara no final da última semana: as indústrias estão segurando e tentando de todas as formas conter a alta no mercado do boi gordo. Inúmeros são os frigoríficos que estão, nas principais praças, saindo de cena e ou deixando na mídia mensagens de estoque cheios e escalas completas. Entretanto, fora dos holofotes da grande mídia, produtores estão vendendo as boiadas prontas pelo preço que querem, chegando a negociar por R$ 240 a arroba do boi. Antes de mais nada, amigo pecuarista, o preço da arroba não vai cair, confira!

Antes de mais nada, precisamos entender o que aconteceu para que o mercado do boi gordo chegasse ao patamar estamos vivenciando agora. Vou elencar aqui, apenas quatro dos principais fatores que trazem para o mercado do boi gordo, algumas novidades e outras nem tanto, mas que acabaram tomando uma maior magnitude nesse ano e, quem sabe, para o próximo!

O produtor sabe o que está acontecendo no mercado e boi gordo, oriundo do pasto, ainda não está pronto!

Quatro motivos que estão impactando no preço da arroba:

1º: A China está sendo assolada pela peste suína africana. Com isso, aumentaram a importação de carne brasileira. Com maior quantidade de produto exportado, pela lógica, falta produto no mercado interno.

2º: Com a longa crise, pela qual passamos, que manteve o preço na carne em baixa durante muito tempo, os pecuaristas passaram a abater fêmeas (matrizes). Como é delas que nascem os bezerros, isso causa a falta de produto no mercado interno.

3º: Estamos em período de entressafra no Centro-Oeste, o maior produtor de carne, no Brasil. Nesta época, os pastos ficam ruins, o custo de produção aumenta e falta produto no mercado interno.

4º: Iniciando dezembro, às vésperas do fim de ano, o comércio já se prepara para as festas, quando o consumo aumenta exponencialmente e falta produto no mercado interno.

Não tem boi de pasto pronto para abate

O confinamento, principal fornecedor do boi gordo nesta época do ano, teve uma redução no volume de animais confinados esse ano, já que os insumos e consequente custo de produção estava maior, quando comparado a anos anteriores. Além disso, a chuva chegou tarde, nas principais regiões produtoras, como o Centro-Oeste, afetando assim a terminação dos animais oriundos do pasto.

Um cenário que fica cada vez mais claro é que, com o fim dessa boiada do confinamento, as indústrias serão obrigadas a pagar preço maiores para conseguir completar as suas escalas, já que os próximos quinze dias são esperados aumento do consumo interno e da demanda chinesa que precisa se abastecer para o ano novo chinês.

O brasileiro irá ter maior poder de compra, já que é chegada a época do salário de do décimo terceiro, aumentando o otimismo e, com isso, levando a maior parte as compras de fim de ano. O frigorífico ainda tem margem para aumentar o valor pago pela arroba, já que o dólar contínua em alta e o mercado externo está aquecido, com a entrada da Rússia nas compras.

Preço da arroba não vai cair, mas olha o alerta

A partir de meados de dezembro, com a programação da indústria já feita para atender o mercado doméstico no final de ano, pode ser que testes ocorram e haja algum ajuste negativo nos preços, segundo informações da Scot Consultoria, confira no vídeo abaixo!

Além disso, é preciso ficar atento aos custos de produção e aumento no preço da reposição. Preço do bezerro deve subir ainda mais que o preço do boi gordo nos próximos dias. Então, caro amigo pecuarista, fique atento aos movimentos da indústria e do mercado de reposição e não fique perdido na ilha da ilusão!

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com