Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Preços do trigo no Brasil estão abaixo da paridade de importação

O mercado doméstico de trigo segue com reportes pontuais de negócios e preços mantidos por volta de R$ 1.200 a tonelada.

mercado doméstico de trigo segue com reportes pontuais de negócios e preços mantidos por volta de R$ 1.200 a tonelada nas regiões de produção.

Segundo o analista de Safras & Mercado, Elcio Bento, as cotações parecem ter encontrado um ponto de suporte para este momento em que os moinhos estão abastecidos e muitos produtores precisam ir ao mercado para liberar espaço em seus armazéns.

Diante desse cenário, mesmo com um quadro apertado e com necessidade de aquisições internacionais para atender a moagem dos principais estados produtores do sul do país, os preços domésticos estão abaixo da paridade de importação em relação ao cereal argentino.

Nesta quarta-feira, essa paridade seria de R$ 1.265/tonelada e de R$ 1.290/tonelada no interior gaúcho e paranaense, respectivamente.

Destaque para os line-ups de importação/cabotagem registros de desembarques realizados e/ou programados nos portos brasileiros que apontam para um acumulado de 2,046 milhões de toneladas na temporada 2023/24 (de agosto/23 até fevereiro/24). O último mês de janeiro, com 666,7 mil toneladas, foi o de maior ingresso até o momento.

A grande novidade é a forte presença gaúcha nas aquisições internacionais, com desembarques no porto de Rio Grande totalizando 363,7 mil toneladas (18% do total). Os fortes danos causados no estado pelo excesso de chuva abrem a necessidade de um grande volume de importação para atender à necessidade de moagem local. Importante lembrar, contudo, que o porto de Rio Grande também foi o local de saída de mais de 2,0 milhões de toneladas de trigo ao exterior (feed wheat).

Trigo em Chicago

Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços acentuadamente mais baixos.

O mercado repercutiu os números do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) sobre a oferta e demanda do cereal no mundo. A maior competição no mercado exportador pressionou as cotações.

A Rússia deve produzir 91 milhões de toneladas e exportar 51 milhões, os mesmos números de janeiro. A Ucrânia deve produzir 23,4 milhões e exportar 15 milhões de toneladas. No mês passado, o USDA esperava as exportações em 14 milhões de toneladas.

A safra 2023/24 do cereal na Argentina foi projetada em 15,5 milhões de toneladas, contra 15 milhões em janeiro. As exportações do país foram elevadas de 10 para 10,5 milhões de toneladas.

No Canadá, a projeção da safra 2023/24 foi mantida em 31,95 milhões de toneladas. A projeção da safra australiana do cereal ficou em 25,5 milhões de toneladas. Na União Europeia e no Reino Unido, a safra 22/23 está projetada em 134 milhões de toneladas.

No fechamento, os contratos com entrega em março eram cotados a US$ 5,88 1/2 por bushel, baixa de 13,50 centavos de dólar, ou 2,24%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em maio de 2024 eram negociados a US$ 5,94 por bushel, recuo de 14,00 centavos, ou 2,3%, em relação ao fechamento anterior.

Fonte: Agência Safras

VEJA TAMBÉM:

ℹ️ Conteúdo publicado por Myllena Seifarth sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM