Produtores que trabalham com sistemas de manejo reprodutivo podem antecipar vacinação contra aftosa

PARTILHAR
Foto: Divulgação

A vacinação contra a febre aftosa é obrigatória em quase todo o estado de Mato Grosso, à exceção do município de Rondolândia e algumas propriedades.

Produtores que trabalham com sistemas de manejo reprodutivo em Mato Grosso e já estão com período de estação de monta definido podem requisitar, ao Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea), a antecipação da segunda etapa da vacinação contra a febre aftosa, para que ocorra a partir de 1º de outubro de 2022. A decisão busca evitar perdas nos índices de fertilidade do rebanho bovino.

De acordo com o calendário vacinal, a segunda etapa compreende o período de 1º a 30 de novembro, e a vacinação é obrigatória em bovinos e bubalinos de todas as idades, exceto aqueles pertencentes às propriedades localizadas no baixo Pantanal mato-grossense.

No entanto, em razão da preocupação do setor produtivo quanto a possíveis perdas nos índices de fertilidade do rebanho bovino devido ao manejo durante a segunda etapa de vacinação, foi solicitada pelos estados que compõem o Bloco IV do Plano Estratégico do PNEFA (PE-PNEFA), ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a antecipação da vacinação.

Fazem parte do bloco IV que compõe o PNEFA os estados de Mato Grosso, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Sergipe, São Paulo e Tocantins, além do Distrito Federal.

Com a autorização, os produtores que trabalham com sistemas de manejo reprodutivo, como inseminação artificial em tempo fixo (IATF), entre outros métodos, devem entrar em contato com a unidade do Indea do município de cadastro do estabelecimento rural e, através do protocolo de requerimento, solicitar a antecipação da vacinação.

Após a imunização, a vacinação deve ser comunicada ao Indea.

Zona livre da Aftosa

A vacinação contra a febre aftosa é obrigatória em quase todo o estado de Mato Grosso, à exceção do município de Rondolândia e algumas propriedades dos municípios de Colniza, Aripuanã, Juína e Comodoro, que já são reconhecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como “zona livre de febre aftosa sem vacinação”. Portanto, não devem  imunizar o rebanho.

Fonte: Ascom Acrimat

🚀 Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? ✅ 👉🏽 Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). 🚜🌱

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com