Produtos à base de plantas podem ‘andar de mãos dadas’ com os lácteos

PARTILHAR
Crédito: Divulgação/MilkPoint

A indústria de produtos à base de plantas gerou vendas globais dos quais quase US$ 18 bilhões vieram de bebida à base de plantas semelhante ao leite

Esqueça a briga de produtos à base de plantas vs laticínios. Os produtos à base de plantas têm uma enorme oportunidade de crescer sem substituir totalmente os laticínios, enquanto para algumas pessoas, quanto mais consomem leite à base de plantas, mais também consomem leites de origem animal, disse a Givaudan (empresa suíça) ao evento Protein Vision da FoodNavigator.

As alternativas lácteas são um dos maiores e mais dinâmicos espaços da categoria plant-based, com os leites na liderança. A indústria de produtos à base de plantas gerou vendas globais no varejo de mais de US$ 20 bilhões em 2021, dos quais quase US$ 18 bilhões vieram de bebida à base de plantas semelhante ao leite, segundo dados da Euromonitor International.

Pesquisas no Reino Unido estimam ainda que um em cada três consumidores compra leites à base de plantas, sugerindo que eles se tornaram uma escolha popular para os compradores. O mercado global de laticínios à base de plantas deve crescer 13,6%, de acordo com a Givaudan, que está testemunhando inovações em ritmo acelerado em ingredientes e aplicação em vários segmentos, como iogurtes, cremes de café e manteiga.

Mas é difícil separar os consumidores de produtos à base de plantas e de produtos lácteos. Para a maioria dos consumidores, ambos coexistem. “Temos novos insights que reforçam o que já sabíamos”, disse Laurence Minisini, gerente de Consumer & Market Insights da Givaudan. “Prevê-se que os produtos à base de plantas tenham um futuro brilhante ao lado dos lácteos. Na maioria dos casos, os produtos à base de plantas e laticínios não se excluem: pelo contrário. As pessoas estão diversificando seu consumo e desfrutando em grande parte de produtos à base de plantas e laticínios.”

Com base em pesquisas com 3.000 consumidores com idades entre 18 e 64 anos no Reino Unido, Alemanha e EUA, Minisini observou que os consumidores flexitarianos ou redutarianos estão liderando o crescimento em alternativas ao leite, enquanto o pequeno número de compradores estritamente veganos permaneceu baixo – em torno de 3% – nos últimos anos.

Segundo a Givaudan, 72% dos consumidores usam alternativas lácteas (esse número é maior entre os consumidores mais jovens), e 69% destes consumidores consomem bebidas vegetais alternativas ao leite e lácteos em casa, ao mesmo tempo. 

“69% é a proporção de consumidores de bebidas vegetais alternativas ao leite que normalmente consomem leite e a bebida alternativa ao mesmo tempo em casa. Definitivamente, a grande maioria dos consumidores de produtos à base de plantas não muda completamente de laticínios para à base de plantas, mas sim usa ambos, dependendo de seu uso”, disse Minsini. “Também vemos que, para algumas pessoas, quanto mais consomem bebidas vegetais alternativas ao leite, mais consomem lácteos também.”
 

A indulgência é fundamental

Por que isso importa? Embora a satisfação com as alternativas de laticínios à base de plantas tenha melhorado drasticamente nos últimos anos, ainda há muito o que avançar. Por exemplo, no Reino Unido em 2020, apenas 43% estavam muito satisfeitos – o que significa que o sabor e a indulgência continuam sendo fundamentais.

Apenas cinco em cada sete consumidores acham que os bebidas vegetais alternativas ao leite oferecem a mesma indulgência que os laticínios reais, disse Catherine Bayard, gerente global de produtos da Givaudan, Dairy Alternatives. “Ainda há melhorias que podem ser feitas em torno da saciedade, sensação na boca e riqueza”, disse ela.

Mimetismo vs novos gostos e experiências

Isso significa ainda que os fabricantes de alimentos têm opções para lançar produtos alternativos aos lácteos à base de plantas que não estão fixados em tentar imitar o produto real.

Há uma divisão entre consumidores jovens e velhos, por exemplo. Os compradores da Geração Z são mais radicais, disse Givaudan. Esse nicho é mais propenso a consumir exclusivamente produtos à base de plantas e ter uma imagem positiva das bebidas à base de plantas alternativas aos laticínios em termos de saúde e nutrição em comparação com a geração mais velha – que são os menos satisfeitos com as alternativas aos laticínios. Os consumidores da GenZ estão, portanto, mais abertos a bebidas à base de plantas alternativas aos laticínios que têm um sabor diferente dos laticínios em si. 

“Os produtos à base de plantas devem ter o mesmo gosto de laticínios originais?” perguntou Minisini. “O que vemos é que os gostos estão lentamente se afastando do mimetismo e as pessoas estão mais abertas a novos sabores para encontrar sabores vegetais em sua bebida vegetal, especialmente ao colocá-lo em coisas como mingau, cereais ou smoothies. As pessoas estão procurando algo específico que tenha um sabor à base de plantas encontrado na natureza.”

Como o marketing pode evoluir?

Esses insights também podem mudar a forma como esses produtos são comercializados, com menos foco em sustentabilidade e mais em indulgência e sabor?

Um estudo recente da Arla disse que quase metade (49%) dos consumidores da Geração Z sente vergonha de pedir laticínios em público entre seus pares por causa de percepções negativas sobre o meio ambiente e o bem-estar animal. Portanto, 29%, aderem as bebidas à base de plantas alternativas aos laticínios em público e se voltam aos lácteos em casa.

Essas mensagens polarizadoras podem desaparecer com uma nova geração de produtos à base de plantas que não foquem em imitar os laticínios, mas trazem novos sabores, texturas, cores e sabores emocionantes à mesa e que tornam as plantas o herói do produto? “Essa mensagem de sustentabilidade não vai desaparecer totalmente”, respondeu Bayard. “As pressões sociais ainda são grandes motivadores de escolha.”

Em vez disso, ela disse que há espaço para crescimento em “híbridos”: produtos contendo proteínas lácteas e vegetais, o que permite aos consumidores flexitarianos ou redutarianos uma opção para reduzir seu impacto ambiental, enquanto ainda obtêm uma experiência de sabor indulgente.

As bebidas vegetais alternativas e os laticínios tradicionais são amigos, não inimigos”, concluiu. “Eles continuarão juntos em geladeiras. Agora estamos vendo mais produtos híbridos e mais novas proteínas entre as opções.” Mas, ela enfatizou, “os produtos devem ser saborosos e ter indulgência”.

Nem todo mundo vê um futuro brilhante para produtos à base de plantas e laticínios, mas Sara Berger, CEO da marca de bebida vegetal a base de ervilha Sproud, discorda que o crescimento de laticínios e o crescimento de leite à base de plantas andem de mãos dadas. “Isso é novidade para mim”, disse ela no evento Protein Vision. Ela disse que seu público-alvo jovem exige uma reinvenção total do setor de alimentos, com foco em sustentabilidade alimentar com menor pegada de carbono.

“Temos uma relação extremamente próxima com nossos consumidores que interagem conosco em nossos canais sociais e devo dizer que a missão de sustentabilidade é extremamente forte entre esse público jovem.” Enquanto isso, é necessário tornar as mensagens de marketing sobre credibilidade ambiental mais críveis e relacionáveis aos consumidores, observou Kishan Vasani, cofundador e CEO da Spoonshot, que fornece insights de dados baseados em IA para o setor de alimentos e bebidas.

Ele disse que os consumidores muitas vezes ficam confusos com os muitos fatores que podem ser agrupados sob o guarda-chuva da ‘sustentabilidade’, incluindo mudanças climáticas, emissões de carbono, alegações de produtos como veganos e orgânicos e aspectos como resíduos, recicláveis e sem plásticos. “É preciso haver alguma unificação aqui e clareza em torno das mensagens de sustentabilidade para torná-las mais transparentes e relacionáveis. Por exemplo, as mensagens de carbono que estamos vendo cada vez mais na embalagem às vezes são inúteis. Uma marca pode dizer que 10.000 bolas de praia de C02 deixam de ser emitidas. Como isso é compreensível para um consumidor?”

Fonte: MilkPoint

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com