Raça Kuri usa o chifre para boiar na água; veja as fotos!

PARTILHAR

Eles são excelentes nadadores e utilizam os seus chifres bulbosos como itens úteis na flutuação; A raça é, ainda, utilizada para produzir carne e leite!

A pecuária mundial possui inúmeras raças, ancestrais e novas, algumas até em extinção. Entretanto, outras ainda que em menor número populacional, ainda se destacam e chamam atenção. No Lago de Chad, situado no deserto do Saara, encontra-se a raça Kuri, originária do boi europeu. Seus chifres apresentam a grande curiosidade de serem bulbosos e gigantes. Mas quais as características e para que servem esses chifres?

Kuri é uma raça do grupo de gado longhorn sem humilde. O agrupamento de chifres longos sem corcunda os relaciona com o gado N’dama . Eles são usados ​​para carne , leite e trabalho . Eles são intolerantes ao calor e à luz solar e não suportam longos períodos de seca.

Origem e distribuição

O Kuri é um chifre longo (nome científico –  Bos taurus longifrons) , cuja forma muito pura é encontrada na região insular do Lago Chade, ou seja, Djibadala, Koremeron, Debada e Bagdal (Malbrant  et al. 1947). Outros nomes da raça em diferentes locais são Baharie, Bare, Borrie, Boundouma, Dongole, Kouburi, Buduma, Lago Branco Chade, Boenca, Boyenca. 

A origem da raça de gado Kuri é obscura e incerta. Uma teoria considera o Kuri como um puro chifre hamítico, que descendia do antigo egípcio ou chifre longo hamítico, conforme representado nos desenhos egípcios. 

O Kuri provavelmente se ramificou a partir do córrego do Longhorn Hamitic em sua passagem noroeste do Egito e migrou para o sudoeste através do corredor do Saara para o Lago Chade. Outra teoria considera o Kuri como sendo do tipo Sanga (Bos indicus x Bos taurus) que se originou da mistura de zebu com chifres laterais e longhorn hamitic no alto Egito e na atual Etiópia (DAGRIS 2005). O Kuri predomina nas margens e ilhas do Lago Chade, que faz fronteira com Camarões, Chade, Níger e Nigéria. 

O seu habitat principal está no sul do Chade e no nordeste da Nigéria, mas também são encontrados no norte dos Camarões, na província de N’Guigmi do Níger e, em certa medida, na República Centro-Africana. A raça também foi relatada no distrito de Jikawo, na região de Gambella, no oeste da Etiópia (Alberro et al. 1982).

Características físicas

O gado Kuri é predominantemente branco com membranas mucosas pigmentadas; indivíduos com manchas vermelhas, vermelhas pied, cinza claro ou pardo, manchas escuras ou pretas, marrom avermelhado, vermelho acinzentado ou manchas salpicadas estão frequentemente presentes, animais brancos com ombros ocasionais de cor cinza e manchas escuras com preto preto ou acinzentado (Tawah et al . 1997).

O gado Kuri é alto entre as raças africanas, com dorso longo, corpo raso e uma grande garupa óssea. O comprimento do corpo varia de 133,7 a 144 cm nas mulheres e de 152 a 165 cm nos homens. A circunferência do coração nas mulheres é 172, enquanto nos homens varia de 183 a 211 cm. Eles têm chifres maciços em forma de bulbo com seu comprimento variando de 70 a 150 cm, cuja circunferência pode atingir até 100 cm (Epstein 1971; Queval et al. 1972; Renard 1972; Hall 1991). A barbela é imperceptível.

Peculiaridade

A raça está adaptada ao clima quente e úmido, e em seu habitat original, são manejados sob o sistema tradicional alimentando-se de grama nas pequenas ilhas do Lago Chade; eles são excelentes nadadores e seguem seus pastores através da água enquanto viajam de uma ilha para outra; seus chifres bulbosos são considerados úteis na flutuação.

Status da raça

A estimativa de 1991 da população de Kuri era de 120.000 no Chade (que é ¾ do total de Kuri) e 2 350 nos Camarões (DAD-IS 2005). Estimativas mais recentes fornecem um valor mais baixo de 110.000 para a população total (Rege e Tawah 1999). A raça Kuri está diminuindo rapidamente em número, tanto na Nigéria quanto no Chade. 

As possíveis razões para a tendência de declínio incluem secas, conflitos civis prolongados na região, o retrocesso das águas do lago e o cruzamento extensivo com os zebus quando pastam nas margens. Devido à sua incapacidade de prosperar fora de seu habitat lacustre, o Kuri está ameaçado (Rege e Tawah 1999). 

A tendência é exacerbada pela falta de programas de melhoramento da raça e suscetibilidade à peste bovina. No início da década de 1980, foi estabelecido um projeto para avaliar, selecionar e distribuir animais machos com base no desempenho da produção de leite no Chade (Adeniji 1983). Não há programa de conservação para a raça (Adeniji 1983; Tawah et al. 1997).

Utilidade

Tawah et al. (1997) indicaram que o principal uso do gado Kuri é o leite e, até certo ponto, a carne. O Sistema de Informação sobre Diversidade de Animais Domésticos (DAD-IS) coloca a importância na ordem inversa. Embora se diga que há um problema de descida do leite, há um registro de 1260 kg de produção de leite em lactação durante um período médio de lactação de 280 dias (Epstein 1971). 

Por outro lado, DAD-IS indica que a produção de leite em lactação varia entre 360 ​​e 800 litros. Também é indicado que uma vaca Kuri é capaz de produzir até 6 kg de leite por dia após alimentar seu bezerro e engorda bem a pasto e em confinamento. A qualidade da carne do Kuri é considerada excepcionalmente boa (Tawah et al. 1997).

A idade de primeiro parto das novilhas Kuri é de cerca de 40 meses, o intervalo entre partos é de 445 dias e o número de bezerros produzidos em uma vida de até 12 (Malbrant et al. 1947; Epstein 1971).

O peso ao nascer é de cerca de 25 kg. Tawah et al. (1997) indicaram que as fêmeas têm peso corporal médio de 400 kg e os touros 475 kg, embora alguns machos atinjam peso corporal de 600 kg, com percentual de cobertura de 50%. Por outro lado, DAD-IS (2005) indicou que as fêmeas pesam 363 kg enquanto os machos 499 kg.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.