Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Senado aprova projeto que acelera o registro defensivos agrícolas

Uma das mudanças mais notáveis é a concentração da liberação dos defensivos agrícolas no Ministério da Agricultura e Pecuária, embora a Anvisa ainda mantenha o poder de não aprovar certos produtos; veja

Nesta terça-feira (28), o Senado Federal aprovou por votação simbólica o Projeto de Lei (PL) 1459/22, que propõe alterações significativas na regulamentação de defensivos agrícolas no país. Relatado pelo senador Fabiano Contarato (PT-ES), o texto aguarda agora a sanção presidencial.

A medida visa abordar aspectos relacionados à pesquisa, experimentação, produção, comercialização, importação, exportação, embalagens, destinação final e fiscalização desses produtos. Uma das mudanças mais notáveis é a concentração da liberação dos defensivos agrícolas no Ministério da Agricultura e Pecuária, embora a Anvisa ainda mantenha o poder de não aprovar certos produtos.

O projeto estabelece prazos para registros desses produtos no Brasil, permitindo licenças temporárias em casos de descumprimento dos prazos pelos órgãos competentes. Além disso, reclassifica explicitamente produtos prejudiciais à saúde humana e ao meio ambiente.

O senador Fabiano Contarato destaca que a legislação atual precisava ser atualizada diante dos avanços técnicos e científicos desde a última lei de defensivos agrícolas, de 1989.

Registro de defensivos agrícolas e centralização no Ministério da Agricultura

O projeto estabelece prazos variados, de 30 dias a 2 anos, para inclusão e alteração de registros de defensivos agrícolas no Brasil. A centralização das decisões e fiscalizações no Ministério da Agricultura marca uma mudança significativa, substituindo o sistema tripartite atual.

A avaliação de risco também passa por ajustes, retirando proibições específicas e deixando ao Ministério da Agricultura a responsabilidade de avaliar o nível de risco de cada produto. Multas mais severas, que variam de R$ 2 mil a R$ 2 milhões, foram aprovadas para casos de desrespeito à lei, com possibilidade de convênios com órgãos estaduais para fiscalização.

Repercussão e próximo passo

A senadora Tereza Cristina destaca a modernização da lei como uma vitória para o setor agropecuário, beneficiando grandes e pequenos produtores. O projeto agora aguarda sanção presidencial, com o presidente Lula expressando apoio, embora possíveis modificações não estejam descartadas.

O projeto, de autoria do ex-senador Blairo Maggi, tramitou por mais de 20 anos no Congresso Nacional, e, apesar de não ser considerado ideal por alguns, é visto como um avanço para fortalecer a competitividade do Brasil no setor agropecuário global.

O que muda com a aprovação

Com a aprovação do Projeto de Lei 1459/22 sobre defensivos agrícolas, algumas mudanças significativas ocorrerão no cenário regulatório brasileiro:

Centralização de decisões: A liberação de defensivos agrícolas será centralizada no Ministério da Agricultura e Pecuária, alterando o sistema tripartite atual que envolve também o Ministério do Meio Ambiente (Ibama) e o Ministério da Saúde (Anvisa).

Prazos e registros: Será estabelecido um prazo para a obtenção de registros desses produtos no Brasil, variando de 30 dias a 2 anos. Há também a possibilidade de licenças temporárias em casos de atrasos nos processos pelos órgãos competentes.

Avaliação de risco: O projeto redefine a abordagem em relação à avaliação de risco, retirando proibições específicas e confiando ao Ministério da Agricultura a responsabilidade de avaliar o nível de risco de cada produto.

Multas agravadas: As multas por desrespeito à lei foram significativamente aumentadas, variando agora de R$ 2 mil a R$ 2 milhões, com possibilidade de valores cumulativos e dobrados em casos de reincidência.

Processo de registro temporário: O projeto amplia as condições para o registro temporário de produtos não analisados nos prazos previstos, desde que registrados em países da OCDE, que adotem o Código Internacional de Conduta sobre a Distribuição e Uso de Pesticidas da FAO.

Mudanças na classificação de produtos: A classificação explícita de produtos nocivos à saúde humana e ao meio ambiente será alterada, trazendo uma nova abordagem em relação à proibição e registro de defensivos agrícolas.

Mudanças nas penalidades: As penalidades serão aplicadas pelo Ministério da Agricultura, com valores mais elevados, e convênios poderão ser estabelecidos com órgãos estaduais para fiscalização.

Crimes e punições: O projeto introduz novos crimes e penas, como a pena de reclusão de 3 a 9 anos para a produção, armazenamento, transporte, importação, uso ou comercialização de pesticidas não registrados ou não autorizados.

Essas mudanças visam modernizar a legislação, acompanhar o desenvolvimento técnico e científico, promover a inovação tecnológica e sustentabilidade, ao mesmo tempo em que buscam fortalecer a competitividade do Brasil no cenário global do setor agropecuário.

Escrito por Compre Rural.

ℹ️ Conteúdo publicado pela estagiária Juliana Freire sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM