Soja: Sem China, vendas fracas

PARTILHAR
Foto: Claudio Neves/Porto de Paranaguá

Em mais um dia sem novas vendas externas realizadas, o preço do farelo de soja recua nos EUA e puxa o preço do grão, apontou a Agrifatto em seu relatório!

Com o recuo do prêmio pago nos portos, a queda do dólar para baixo dos R$ 5,60 e a desvalorização da soja em Chicago, o preço da oleaginosa em Paranaguá/PR voltou a recuar, fechando a quarta-feira cotado a R$ 169,00/sc. O mercado brasileiro segue avaliando a safra que está se encaminhando para o fim da sua colheita no país, com isso, a maior oferta pressiona as cotações.

Completando mais de 47 dias sem novas vendas de oleaginosa para a China, o mercado de soja nos EUA registrou baixa na quarta-feira. O farelo de soja em Chicago apresentou recuo de 0,91%, ficando cotado a US$ 404,20/t, se aproximando das mínimas do ano, sentindo os reflexos da menor demanda chinesa por farelo (devido aos problemas com PSA observados no gigante asiático).

Boi Gordo

O dia se encerra com clima de incertezas para o mercado interno de carne bovina. Com a piora da pandemia, as medidas restritivas correm risco de se tornaram mais rígidas, e evoluírem para um lockdown geral. Com isso, as movimentações no varejo seguiram paralisadas, algumas mercadorias foram devolvidas e não há formação de novos contratos de compra. Contudo, hoje o governo de São Paulo anunciou uma redução do ICMS da carne bovina, tal medida pode contribuir para uma leve melhora no cenário atacadista.

Após o encerramento de vários dias em alta, a quarta-feira fechou com as cotações do boi gordo sofrendo leve desvalorização no mercado futuro. A arroba encerrou cotada a R$ 305,35/@ para os contratos com vencimento em maio/21, sofrendo recuo de 0,75% comparado ao dia anterior. No mercado físico, os preços seguem firmes, com a referência em São Paulo transpondo os R$ 310,00/@.

Milho

Os preços do milho no mercado físico brasileiro seguem em valorização, os vendedores pressionam os preços, pedindo valores acima de R$ 95,00/sc em Campinas/SP, no entanto, a referência para negócios ainda se aproxima dos R$ 93,50/sc. Na B3 o dia se encerrou com o grão cotado a R$ 94,90/sc para os contratos futuros com vencimento em maio/21, o preço manteve-se próximo da estabilidade, aumentando apenas 0,01% no comparativo diário.

O anúncio de novas vendas para a China movimentou mais uma vez os preços interacionais do milho em Chicago para cima. O contrato com vencimento para maio/21 registrou alta de 0,68% no comparativo diário, ficando cotado a US$ 5,58/bu. Além das vendas para a China, os preços do cereal encontram sustentação na produção de etanol norte-americana, a produção média semanal do combustível é a maior registrada desde dezembro/20.

Fonte: Agrifatto

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.