Soja: Sem negócios, mas com preços em firmes, diz Agrifatto

Soja: Sem negócios, mas com preços em firmes, diz Agrifatto

PARTILHAR
Foto: Pixabay

Oferta de soja segue enxuta, com exportações em forte queda, no entanto, com dólar e CBOT em ascensão, preços da oleaginosa seguem firmes.

Em mais um dia com indicadores muito bons, o preço da soja no Brasil seguiu firme, com o valor de referência acima dos R$ 167,00/sc. As justificativas para tal firmeza vieram divisa norte-americana que voltou a ficar acima dos R$ 5,40 e do preço da oleaginosa em Chicago, que no contrato para janeiro/21 fechou em alta de 0,89%, chegando aos US$ 11,92/bu.

Com um volume ínfimo de soja disponível, as exportações da oleaginosa continuam a recuar semana após semana. Desta vez, foram apenas 307,36 mil toneladas enviadas para o exterior durante toda a última semana, com isso, a média diária exportada de soja recuou para 88,75 mil toneladas, 14% menor que a média da semana anterior.

A manutenção deste desempenho deve levar as exportações de soja a menos de 2,00 milhões de toneladas embarcadas em novembro/20, pior desempenho para um mês de novembro desde 2016.

Milho

Estimulado pelo dólar, a semana começou agitada para os preços do milho no mercado físico. A divisa norte-americana impulsionou as pedidas dos vendedores para próximo aos R$ 81,00/sc em São Paulo, no entanto, as negociações travaram após tal aumento. Na B3, o contrato para jan/21 chegou aos R$ 80,58/sc, valorizando 2,21% no comparativo diário.

Com mais de 1,22 milhão de toneladas enviadas para fora do país na terceira semana de novembro/20, as exportações de milho chegaram ao total de 3,49 milhões de toneladas nos 14 primeiros dias úteis de novembro/20.

A média diária estabeleceu-se em 249,70 mil toneladas, 21,50% a mais do que fora registrado em novembro/19. Desta forma, a tendência é que o mês de novembro/20 seja o melhor da história para um mês de novembro em volume embarcado, com mais de 4,8 milhões de toneladas exportadas.

Boi Gordo

Com as vendas do atacado consideradas fracas durante o final de semana, o mercado da carne bovina já iniciou conversas para uma nova rodada de desvalorização da carcaça casada nas próximas semanas. O movimento de queda exercido pelos frigoríficos no país nos últimos dias ainda busca respaldo da oferta, no entanto, a dificuldade em alongar as escalas continua grande. Na B3, o contrato para dezembro/20 fechou o dia com queda de 0,44%, sendo negociado a R$ 272,90/@.

Após duas semanas inicias frenéticas, os embarques de carne bovina brasileira apresentaram uma desaceleração forte na terceira semana de novembro/20. Foram 32,10 mil toneladas enviadas para fora do país na última semana, 29% a menos do que fora registrado na segunda semana de novembro/20.

Com tal desempenho, a média diária embarcada do mês de novembro/20 reduziu 12% em relação a semana retrasada, se posicionando em 8,50 mil toneladas/dia. Ainda assim, se mantido esse desempenho até o fim do mês, romperíamos um recorde nos embarques diários de proteína bovina.

Fonte: Agrifatto

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.