StoneX eleva previsão de safra de soja 21/22 do Brasil

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Se não fosse a seca, potencial de safra do Brasil, maior produtor e exportador mundial, seria de mais de 140 milhões de toneladas.

A previsão da safra de soja 2021/22 do Brasil, colhida no primeiro semestre, foi ajustada nesta sexta-feira pela consultoria StoneX para 127 milhões de toneladas, com uma revisão na área plantada de Mato Grosso e também com produtividades não tão ruins no Rio Grande do Sul.

A consultoria previa uma safra de soja de 124,4 milhões de toneladas até o mês passado.

“O principal destaque foi a revisão da área do Mato Grosso, após a finalização da colheita, com a conversão de pastagens para agricultura, principalmente nas regiões norte e noroeste do Estado”, disse a StoneX em comunicado, citando que a produção mato-grossense da oleaginosa subiu para 40,5 milhões de toneladas.

No Rio Grande do Sul, as lavouras colhidas no final do ciclo resultaram em mais uma revisão positiva da produtividade, levando a produção para 11,1 milhões de toneladas.

“De qualquer forma, o estado ainda registrou uma quebra de 50%”, notou a StoneX, lembrando dos efeitos da estiagem.

Ajustes positivos no Maranhão e no Pará também contribuíram para a revisão.

Mas a StoneX poderou que, não fosse a seca, potencial de safra do Brasil, maior produtor e exportador mundial, seria de mais de 140 milhões de toneladas.

A revisão da produção brasileira de soja resultou em uma elevação dos estoques finais estimados para o ciclo 2021/22, que ficaram em 4,9 milhões de toneladas.

“Os estoques subiram, mesmo com a revisão do consumo doméstico para 49 milhões de toneladas”, disse a especialista de Inteligência de Mercado da StoneX, Ana Luiza Lodi, em nota.

A estimativa de exportações de soja do Brasil foi mantida em 77 milhões de toneladas, versus recorde de 86,1 milhões na temporada anterior, quando a colheita também foi histórica, de 135,84 milhiões de toneladas.

No que diz respeito ao milho, cuja segunda safra está sendo colhida, a StoneX revisou sua produção total 2021/22 de 116,8 milhões de toneladas para 119,3 milhões nesta sexta-feira.

“É verdade que grande parte da produção brasileira ainda precisa ser colhida e, portanto, está sujeita a alterações. Contudo, ao que tudo indica, o país deve registrar uma safra recorde”, disse analista de inteligência de mercado do grupo, João Pedro Lopes, em relatório.

Fonte: Reuters

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com