PARTILHAR

Animal de nome “Fuego” foi editado geneticamente para efeitos de pesquisa na produção de carnes, projeto está sendo desenvolvido na Argentina.

Um grupo de cientistas argentinos conseguiu editar geneticamente um animal da raça Brangus, objetivo é aumentar a produção de carne mais magra. A pesquisa foi realizada por cientistas da Kheiron Biotech em Pilar, Buenos Aires, usando técnicas de edição genica foi possível editar o gene CRISPR-Cas9. A edição de genes permite que você se concentre em genes específicos de interesse e faça cortes para editá-los.

Nesse caso, o que foi feito foi silenciar a expressão de um gene que codifica a miostatina (proteína que inibe o crescimento muscular em determinado momento), que gera animais com maior massa muscular e benefícios produtivos, como carne mais magra e maior produção. de proteína por animal.

Na investigação eles demonstraram isso com células modificadas para clonar e até mesmo em embriões que foram transferidos para vacas prenhes. Então você poderia ter o mesmo touro clonado, mas geneticamente modificado para não expressar miostatina.



“Esses resultados representam um grande avanço em termos reprodutivos e podem ter um forte impacto, já que a grande vantagem dessa ferramenta é que permite obter animais com novas características genéticas em um tempo muito mais curto e de forma não perigosa”, disse Gabriel Vichera, diretor cientista do laboratório Kheiron Biotech e responsável pelo projeto.

O desenvolvimento permite identificar sequências de genes existentes em certos animais e introduzi-los mais rapidamente do que se fossem com cruzamentos convencionais. “100% dos embriões analisados ​​foram especificamente modificados em ambos os alelos (cópias do gene), demonstrando o potencial da plataforma tecnológica, cujo principal vantagem é que, ao produzir estes animais por clonagem, edição genética ocorre em todos células, fato que garante a obtenção das características desejadas. Então, para os animais nascidos estão fazendo múltiplas transferências em vacas receptoras em uma instalação localizada em San Antonio de Areco (Cabin Doña) “, disse a empresa.

“O objetivo final é obter diferentes desvios gerados pela clonagem e edição genética com características diferenciais com maior teor de proteína, resistência a doenças e adaptabilidade a condições climáticas adversas”, disse Daniel Sammartino, CEO do grupo Proinvesa. O projeto tem o status de regulamentado pela Direção Nacional de Biotecnologia e pela Comissão Nacional Consultiva em Biotecnologia Agropecuária (Conabia). Os animais poderiam ser criados no campo sem exigências adicionais e sua aprovação para o consumo humano não levaria muito tempo.

Tradução Compre Rural do artigo da La Nacion


Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.