Urgente! Frigoríficos param os abates no Tocantins

Urgente! Frigoríficos param os abates no Tocantins

PARTILHAR
novilhas para o abate no frigorifico tamanho banho com aspersor
Foto: Isabela Vieira / Pro@

Governo estadual, através de comunicado, aplica ICMS em abates bovinos no Tocantins; ação é temerária, tendo em vista que produtor já sofre com margens pequenas de lucro.

Da noite para o dia, o Governo suspendeu os benefícios fiscais ao setor. O Governo do Tocantins, através da comunicado emitido pela Receita Federal começou a cobrar o ICMS em todas as operações destinadas a frigoríficos.

O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação) é de competência dos Estados e do Distrito Federal.

A dúvida que fica é de quem pagará a conta, pois a alíquota de 12% que incide neste imposto pode ficar à cargo do pecuarista ou da indústria.

Vídeo: Professor da UFT chama Governo de ‘irresponsável’ por taxar frigoríficos em 12% no Tocantins

O zootecnista e professor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), José Neuman Miranda Neiva, comentou a decisão do Governo do Tocantins de suspender os benefícios fiscais concedidos aos frigoríficos, bem como as consequências imediatas que a medida trará, uma delas a interrupção dos abates de bovinos.

Comunicado da Receita Federal

“Considerando a Edição da Portaria SEFAZ nº 1.216 de 30 de setembro de 2019, publicada no Diário Oficial nº 5.452 de 30 de setembro de 2019, informamos que a partir da data da publicação da mesma as coletorias passarão a adotar a regra geral da Lei 1.303 na emissão da nota fiscal nas operações destinadas a frigoríficos”. 

Por volta do ICMS, Tocantins não mata e não negocia boi. Sexta para o 9º frigorífico

Oito frigoríficos do Tocantins pararam nesta quinta (3). O nono fecha amanhã, assim que terminar de abater os bois escalados. Serão 3,5 mil cabeças diárias que deixarão de ser vendidas às unidades do estado, depois que o governo suspendeu os Termos de Acordos de Regimes Especiais (Tare) que isentava do ICMS as operações em um estado deficitário de matéria-prima.

Agora, segundo Gilson Bueno Cabral, presidente do Sindicarnes do Tocantins, na antecipação de 12% do ICMS, um produtor que vender 100 bois tem que recolher 12 para o estado.

O acordo foi quebrado sem aviso prévio, de segunda para terça, segundo ele, com o agravante de que todos os gestores do Executivo, tanto do governador, quanto da Secretária da Fazenda, estão em viagem ao exterior “e ficamos à mercê”.

Foto: Divulgação

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.