A desinformação por trás da “vaca louca” e seus impactos no setor

A desinformação por trás da “vaca louca” e seus impactos no setor

PARTILHAR
vacas nelore pastando
(Foto: Ernesto Souza / Ed. Globo)

Notícias de BSE, vaca louca, seriam normais se as pessoas fossem instruídas sobre o que é e quando ocorrem, afirma presidente do conselho da ABIEC

Animais acima de 8 anos vão quase sempre apresentar incidência atípica. Sem consequências nenhuma a saúde humana. Degeneração normal em consequência da idade.

Casos se repetem mundo a fora. O alarde e o sensacionalismo é que podem nos prejudicar. A falta de informação e de transparência é que podem se tornar danosos.

O caso em que estamos presenciando está sendo tratado com toda transparência e obedecendo rigorosamente os tratados internacionais. O dever de casa está sendo feito pelo Ministério da Agricultura.

A seu tempo, obedecendo o que dita a OIE o Ministério estaria divulgando o caso. Porém para isso é necessário ter em mãos o resultado da contra prova. Este resultado ainda não havia chegado até data de ontem. Só por este motivo ainda não havia sido comunicado.

Toda cautela para não irmos além da realidade.

A notícia de ontem à noite pode trazer especulações que prejudiquem o pecuarista, a indústria e o país. Não por ser ou não ser verídica mas por ser intempestiva e não somar em nada.

Quanto menos falarmos antes do Ministério se pronunciar melhor. Quanto menos medidas radicais tomarmos melhor. Ajustar preços à realidade de mercado è obrigação de cada um em tempo real.

Da pra adaptar abates conservadores com preços reais sem especulações. Da pra travar números condizentes a preços da carne sem prejuízos. Toda cautela para não irmos além da realidade.

A depreciação da @ e da carne não interessa a nenhum elo do setor. Serenidade é a palavra para o momento.

Abraço

Mensagem do Presidente do Conselho de Administração da ABIEC

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com