Vaquejada está proibida, decreta Secretaria de Agricultura

Vaquejada está proibida, decreta Secretaria de Agricultura

PARTILHAR
Foto: ABQM

Secretaria de Agricultura local estendeu proibição para realização de vaquejada a todas as competições que envolvam perseguição, laceio ou derrubada de animais; quatro eventos da raça quarto de milha já foram suspensas

Mesmo com a emenda constitucional que definiu em 2017 a vaquejada e outras provas equestres como patrimônio cultural do Brasil, criadores e competidores vêm enfrentando problemas no Distrito Federal para realizar as competições.

Em janeiro, uma decisão judicial da vara de Meio Ambiente proibiu a realização de vaquejada na região. A Secretaria de Agricultura do Distrito Federal (Seagri) estendeu a proibição para todas as competições com cavalos que envolvam perseguição, laceio ou derrubada de animais.

A medida traz dificuldades a associações de criadores, realizadores e participantes de eventos. Desde janeiro, um parque da cidade já cancelou quatro eventos do cavalo quarto de milha, o que trouxe um prejuízo de ao menos R$ 400 mil à associação de criadores da raça.

Na época da decisão, o juiz da vara de Direito Ambiental do Distrito Federal, Carlos Frederico Maroja, comentou que o objetivo da ação era especificamente a vaquejada. “Para se decidir sobre rodeio, eu precisaria ver a dinâmica do rodeio, imagino que seja diferente. O que eu enfoquei foi a vaquejada”, disse.

Para o magistrado, os maus-tratos que os animais são submetidos não se restringem aos poucos minutos das provas em que são utilizados, mas também a todo o período de treinamento (Foto: Turismo Bahia/CCommons)

A proibição tem trazido indignação ao setor, pois há provas importantes no calendário equestre da região. “Brasília tem agendado para 2018 o evento nacional do mangalarga e o evento nacional do quarto de milha. A gente tem toda uma atividade que está sendo comprometida por uma decisão de quem não tem conhecimento e causa prejuízo para grupos muito fortes e para a maioria que pratica o esporte aqui no Distrito Federal”, diz o presidente do Núcleo de Criadores do Cavalo Quarto de Milha, Eugênio de Menezes Farias.

Segundo ele, a atividade é completamente legal e todos os animais, tanto bovinos quanto equinos, são bem tratados.

Duas associações já entraram com processo contra a proibição, mas até agora não conseguiram autorização para realizar as provas. A decepção é grande para os apaixonados por esportes equestres. O competidor de provas de laço Daniel Neto, por exemplo, viajou 300 km até Brasília para uma prova que não aconteceu.

“A gente traz cavalo, vem com trailer, para tentar pontuar. É bem complicado, porque ficamos no prejuízo”, diz.

Para a diretora da Associação do Ranch Sorting do Planalto, Paula Fantato Borges, que também é competidora e criadora de cavalos, a proibição das provas é uma ameaça à cultura esportiva e à renda de trabalhadores.

“No Brasil inteiro estão ocorrendo provas da mesma natureza, autorizadas e dentro da legalidade, nos mesmo moldes em que nós praticamos aqui”, afirma o presidente do núcleo de quarto de milha.

Ele acredita que a proibição da realização de provas no Distrito Federal deverá cair, mas preocupa-se com a suspensão das atividades nesse meio-tempo. “Isso vai comprometer o nosso calendário de 2018”, diz Farias.

Vaquejada
Foto: Divulgação

A Procuradoria-Geral do Distrito Federal entrou com um recurso questionando o juiz de Direito Ambiental sobre a sua decisão, e agora aguarda o posicionamento. A Secretaria de Agricultura foi procurada pela reportagem, mas não respondeu aos questionamentos.

Fonte: Canal Rural

-- conteúdo relacionado --
Festival Oeste Lusitano: maior evento de cavalos l... Além das provas de saltos e de dança artística dos cavalos Lusitanos, também há aulas de equitação, demonstrações de artes circenses e sessões de teat...
Melhor tratamento da broca em casco de cavalo As brocas que foram detectadas pelo ferrador são pequenos furinhos, um em cada pata dianteira, que parecem ser recentes. Foi feita uma escareação, de...

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com