Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Vendas de soja do Brasil ficam abaixo da média histórica, indica consultoria

O analista observou que, mesmo com os preços desfavoráveis, muitos produtores terão que vender suas colheitas nos próximos meses para garantir fluxo de caixa; entenda

Segundo dados divulgados pela consultoria Safras & Mercado nesta segunda-feira (5), apenas 31,9% da produção projetada da safra brasileira de soja do ciclo atual (2023/24) foi comercializada até o momento. Esse número representa um atraso significativo em comparação com a média histórica para este período, que é de 44,5%.

A baixa nas negociações é atribuída principalmente à queda dos preços da soja no mercado global. Luiz Fernando Roque, analista da Safras para soja, apontou que os produtores têm resistido a vender suas colheitas a preços tão baixos, preferindo aguardar por melhores condições de mercado. Consequentemente, apenas um aumento de 2,8% foi registrado nas negociações em relação ao mês anterior.

Os contratos futuros da soja na bolsa de Chicago atingiram mínimas desde dezembro de 2020, refletindo a pressão dos preços. Esse cenário ocorre apesar de uma quebra na safra brasileira, especialmente em Mato Grosso, o principal estado produtor do país. Além disso, a expectativa de uma colheita robusta na Argentina tem exercido pressão adicional sobre os preços internacionais.

Embora a comercialização esteja atrasada em comparação com a média histórica, o ritmo atual supera ligeiramente o registrado no mesmo período do ano passado. Os trabalhos de colheita estão mais adiantados, com 15% da safra já colhida, superando os 7,8% do mesmo período do ano anterior.

Roque observou que, mesmo com os preços desfavoráveis, muitos produtores terão que vender suas colheitas nos próximos meses para garantir fluxo de caixa, o que pode impulsionar as negociações durante a colheita.

No Paraná, os trabalhos de colheita atingiram 22%, em comparação com a média de 9,8%, enquanto em Mato Grosso, atingiram 39%, superando a média de 28% para o período. Esses dados indicam um bom progresso na colheita, apesar dos desafios enfrentados pelos produtores devido aos preços baixos.

Escrito por Compre Rural.

VEJA TAMBÉM:

ℹ️ Conteúdo publicado pela estagiária Juliana Freire sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM