Vídeo: Cerca 220 vacas serão abatidas com Brucelose, veja

PARTILHAR

A doença infecciosa pode ser transferida para humanos que entram em contato com vacas infectadas ou comem produtos lácteos não pasteurizados contaminados.

Um caso de brucelose bovina foi detectado em uma vaca leiteira no leste da França, disse o Ministério da Agricultura na quarta-feira, 10 de novembro. Em nota divulgada no início da noite, a prefeitura confirmou a notícia temida por toda uma indústria: a brucelose está presente em uma fazenda de gado do departamento. As análises realizadas nos últimos dias transformaram o caso suspeito em caso comprovado. E as bactérias detectadas condenam todo o rebanho afetado – 219 bovinos segundo nossas informações – a serem abatidos.

A brucelose bovina é uma doença infecciosa que ocorre a partir do contato com animais portadores da bactéria Brucella. A Brucella pode infectar gado, cabras, camelos, cães e porcos. A bactéria pode se espalhar para os humanos se você entrar em contato com carne contaminada, ou se você comer ou beber produtos lácteos não pasteurizados.

Em nota – Imagem abaixo, o ministério disse que “medidas cautelares foram tomadas imediatamente” para impedir a propagação da doença bacteriana, que pode ser transmitida a humanos que entram em contato com animais infectados ou consomem laticínios contaminados não pasteurizados.

O ministério disse que desde que as suspeitas do caso foram levantadas na fazenda em Haute-Savoie em 20 de outubro, o leite do rebanho afetado tinha sido usado apenas para produzir produtos pasteurizados.

Portanto, medidas cautelares foram tomadas imediatamente, desde as primeiras análises suspeitas em 20 de outubro. Em particular, o leite do rebanho passou a ser exclusivamente destinado ao fabrico de produtos pasteurizados, sem qualquer risco de transmissão de doenças.

A fazenda afetada está localizada perto do maciço Bargy, relatou Le Dauphiné . Agora que o caso foi confirmado, todas as 219 vacas do rebanho devem ser mortas para erradicar a doença.

A brucelose pode se manifestar por vários sintomas e não muito específicos: febre acima de 38 ° C, dores nas articulações e musculares, fadiga, mal-estar, dor de cabeça, etc. Esses sintomas podem ser observados dentro de 1 semana a 1 mês após a contaminação, e às vezes podem seja muito discreto. Existe uma forma crônica que pode aparecer várias semanas a vários meses após a infecção, que se manifesta por uma dor muito debilitante localizada nas articulações ou em certos órgãos.

A doença é um maladie à éradication obligatoire na França, o que significa que todos os animais que a contraem devem ser mortos. Foto: JR Patterson / Shutterstock

Com isso, o leite do rebanho foi desviado e será utilizado na fabricação de produtos pasteurizados, onde não há risco de transmissão de doenças. E se fosse no Brasil, será que as nossas autoridades teriam essa mesma tranquilidade e apoio para tomar as mesmas medidas?

Segundo surto desde 2005

A França estava oficialmente livre da doença desde 2005. Desde 2012, houve um ressurgimento com surtos de infecção em populações de íbex. Como resultado, a vigilância da brucelose foi reforçada em rebanhos leiteiros na área. O Ministério acredita que a vigilância intensificada foi fundamental para a detecção precoce deste caso.

A brucelose na pecuária é uma doença que leva à erradicação obrigatória. De acordo com o Regulamento UE 689/2020 e a Ordem Ministerial de 22 de abril de 2008, todos os bovinos do rebanho contaminado deverão ser abatidos.

Nesse caso, a origem foi identificada como um rebanho de vacas infectadas por cabras selvagens. Como resultado, medidas cautelares de vigilância foram introduzidas no departamento.

Um deles incluía um sistema de teste de cabras selvagens e matança de cabras não testadas, mas foi suspenso em 2020 pelos tribunais administrativos em Grenoble.

O ministério da agricultura disse que as medidas de vigilância introduzidas em 2012 vão agora ser reforçadas “para erradicar esta doença dos animais selvagens”.

Após o consumo de produtos lácteos de leite cru fresco de animais infectados, a infecção pode ser transmitida aos humanos. Também pode ser transmitido por contato direto com animais infectados. Queijos com maturação superior a 60 dias ou consumidos após a cozedura não representam risco para o consumidor.

O ministério informou que as investigações epidemiológicas estão em andamento. O objetivo é entender a origem da contaminação neste rebanho em particular. Os agricultores serão compensados ​​pelas perdas ocorridas em conformidade com os regulamentos europeus e nacionais.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com