A Boiadeira mais ouvida do país, conheça Ana Castela

PARTILHAR

A cantora, que surgiu como a “Boiadeira”, está no topo da lista do Spotify das 50 músicas mais ouvidas do Brasil com “Pipoco” tem 18 anos e sua raiz na vida da fazenda!

A cantora, conhecida como Boiadeira, Ana Castela, estourou no mundo da sertanejo – está no topo da lista do Spotify das 50 músicas mais ouvidas do Brasil com “Pipoco” – ela tem apenas 18 anos e, segundo ela, inicia agora uma nova geração da música sertaneja no país do agro. A sertaneja morava em uma fazenda no Paraguai, mas é do Mato Grosso do Sul, com suas raízes cravadas na vida do campo.

Mudou tudo. Eu era uma pessoa que era muito reservada, na minha. Hoje já não sou. Trabalho com internet mostrando o que eu faço durante o dia. Estou morando em uma casa diferente, na cidade grande. Minha roda de amigos mudou”, contou ela em entrevista a UOL.

A jovem, que chegou a cursar Odontologia, mas não concluiu o curso ao abandonar a faculdade há um ano para se tornar “A boiadeira” do “agronejo”, está explodindo de felicidade com a chegada ao topo de um single com tão pouco tempo de estrada. Embora esteja mais próxima da cidade do que do campo, preserva as raízes e os aprendizados na fazenda do avô, no Paraguai.

De Sete Quedas (MS) ela agora está morando em Londrina (PR). A fazenda do avô no Paraguai ficou muito distante e já faz um mês que ela não pisa na terra. Quando vai, consegue ficar no máximo dois dias.

Segundo as informações divulgadas, ela conseguiu fazer sucesso estrondoso nas redes sociais com a ajuda da polêmica criada por Melody, a funkeira de apenas 15 anos de idade, junto a outra polêmica conhecida como Anitta.

O número 1 no streaming chegou um dia antes do papo e a noite tinha sido longa. Ela se reuniu com a família, empresário, amigos e compositores para comemorar a conquista inédita. Entre as celebrações, parte do grupo tatuou “#1” no corpo. Foi a sexta tatuagem de Ana Castela e a primeira de seu pai.

“Estava de boa na minha casa mexendo no celular quando do nada minha mãe começa a gritar: ‘top 1’. Aí olhei e falei ‘bora tatuar'”. O nome, “Pipoco”, que significa estouro, foi uma ideia da própria artista.

Ela sentiu que tinha uma música promissora nas mãos. Para ajudar a transformar em hit, a boiadeira ainda contou com a parceria de Melody e do DJ Chris no Beat. Sim, o hit mistura sertanejo, funk e batidas eletrônicas.

Estou muito feliz. Nunca na minha vida imaginei que isso fosse acontecer. “Pipoco” está em um patamar que jamais imaginei. Deu trabalho, mas é gratificante!

Confira abaixo o hit de Ana Castela que tem sido usado em inúmeras páginas do agro no Instagram

“A Ana Castela é nova. É uma artista de agora. Por que não misturar o que o povo gosta? Se você não gosta do seu sertanejo, eu não tenho só sertanejo no meu repertório. Tem muitos outros estilos de música. Pode me escutar que tem para todo gosto. Fiz até uma poesia acústica do agro.

Em resumo

Com apenas 18 anos, a cantora Ana Castilla viu sua vida se transformar em meados de fevereiro de 2021, quando lançou seu primeiro single, intitulado “Boiadeira”. Em poucas horas, o post viralizou nas plataformas de streaming, especialmente no TikTok, onde o público feminino foi visto abraçando o post. Ana Castilla, ou “Boiadeira”, como é conhecida.

A “boiadeira”, como ela já é conhecida, tem mais de 1,7 milhões seguidores no Instagram e TikTok neste curto início de carreira — além de inscritos no YouTube e ter se tornado a número um no Spotify.

Com forte foco no “agro”, setor em que sua família trabalha e ganha a vida, Ana sempre gostou de cantar, mas não profissionalmente. Um dia, ela fez um vídeo cantando uma música do cantor Loubet, que viralizou nas redes sociais e expôs seu nome no ambiente digital.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.