A carne é necessária durante a gravidez, aponta estudo!

A carne é necessária durante a gravidez, aponta estudo!

PARTILHAR
Andressa Biata Rezende
Foto: Andressa Biata / Arquivo pessoal

Que a carne é importante para um organismo saudável, isso não é novidade. Agora, novo estudo confirma que a carne é necessária durante a gravidez. Veja!

Um novo estudo confirma que o consumo insuficiente de carne bovina (porco, aves e peixes também) durante a gravidez pode ter consequências neurológicas negativas para o feto.

A nutrição adequada durante a gravidez é muito importante para a saúde do feto e do recém-nascido. É por isso que o consumo regular de todos os alimentos, especialmente frutas, vegetais e carne, é vital para um fornecimento adequado de nutrientes essenciais nesta fase crítica.

Um novo estudo (“Relação entre o consumo de carne materna durante a gravidez e a concentração de ferritina do cordão umbilical“) confirma o papel indispensável da carne bovina na dieta para o fornecimento de ferro heme, cuja deficiência neste delicado momento pode causar efeitos neurológicos adversos a longo prazo.

A necessidade de ferro na gravidez é muito elevada, estimada em 27 mg/dia, nível dificilmente alcançável, principalmente se houver falta de informação ou hábitos alimentares inadequados nas famílias: segundo a Organização Mundial de Saúde, 30% das mulheres em idade fértil e 50% das mulheres grávidas sofrem de anemia, e isso também se deve ao fato de que as fontes confiáveis ​​de ferro heme são apenas bovinos, suínos, aves e peixes.

Na verdade, o ferro não-heme encontrado nas plantas não é absorvido de forma eficiente pelo nosso corpo. Ao contrário, o ferro heme da carne vermelha possui um alto percentual de absorção que não tem igual, e a presença simultânea da carne na refeição ajuda a aumentar ainda a absorção do ferro dos vegetais.

Nesse sentido, o estudo mediu o nível de ferritina no sangue do cordão umbilical para avaliar os depósitos de ferro atingidos na fase fetal. A ferritina é uma proteína que o corpo produz para armazenar ferro para uso posterior: seus níveis no feto são importantes porque estão associados a efeitos de longo prazo no desenvolvimento da criança e influenciados diretamente pelo tipo de dieta seguida pela mãe durante a gravidez . Assim, foram investigadas a frequência e a quantidade de consumo de alimentos contendo ferro no último trimestre da gestação, momento crítico para a formação de depósitos de ferro, com destaque para a carne bovina, principal fonte de ferro heme.

Os resultados mostraram que o risco de deficiência latente de ferro (LID) (com valores de ferritina no cordão umbilical abaixo de 100 ng / ml) no feto é três vezes maior se a gestante consumir menos de 100 g/dia de carne bovina. Portanto, a ingestão insuficiente de carne bovina na dieta acarreta um risco maior de efeitos negativos a longo prazo na mielinização das células nervosas e no desenvolvimento neurocognitivo do feto.

Basicamente, quando a ingestão materna de ferro é insuficiente, o feto utiliza principalmente o ferro para a síntese de hemoglobina para sua sobrevivência, deixando de fora o desenvolvimento do sistema nervoso central.

Assim, todos os processos neuronais, a síntese de neurotransmissores, fibras mielinizadas e células gliais ficam dramaticamente comprometidos, com danos permanentes ao desenvolvimento neurocognitivo da criança.

Este estudo é o primeiro que avalia o nível de consumo de carne durante a gravidez e sua relação com a quantidade de ferro no feto, confirmando o que já surgiu no passado sobre os riscos da dieta sem carne em gestantes e na criança, portanto, uma dieta completa é obrigatória.

Reduzir a ingestão de carne vermelha também pode impactar negativamente a ingestão de vitamina B12, zinco, selênio e vitamina D: em um estudo recente dirigido no Reino Unido, mulheres que consumiram menos de 40 g de carne vermelha por dia apresentaram deficiência de zinco e vitamina D. O convite dos autores, e o nosso também, é avaliar bem todos os riscos antes de dar conselhos superficiais à população para limitar o consumo de carne.

Fonte: Carni Sustenibili, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com