Bill Gates quer que o mundo só coma carne sintética

PARTILHAR
Foto Divulgação

O plano de Bill Gates para destruir a agropecuária é que o mundo migre do consumo de carne in natura para a carne sintética, desenvolvida em laboratório!

A hiper elite pretende assumir o controle de nossa economia e refazê-la em uma imagem anti-aquecimento global/prevenção de pandemia. Assim, o Davos Crowd está presionando pelo “Great Reset” e Anthony Fauci quer “refazer as infraestruturas da existência humana”. Objetivo deles? A destruição de formas inteiras de vida americana.

A agropecuária está definitivamente em alta. Na verdade, Bill Gates quer que todos nós comamos carne bovina sintética desenvolvida em laboratórios a partir de células-tronco, o que significa que não haverá mais criação de gado.

De uma entrevista da MIT Technology Review com o multibilionário utópico:

“Eu realmente acho que todos os países ricos deveriam mudar para carne 100% sintética. Você pode se acostumar com a diferença de sabor, e a expectativa é que eles vão tornar o sabor ainda melhor com o tempo. Eventualmente, esse prêmio verde é modesto o suficiente para que você possa meio que mudar o [comportamento] das pessoas ou usar a regulamentação para mudar totalmente a demanda.

Portanto, para a carne nos países de renda média e superior, acho que é possível. Mas é um daqueles onde, uau, você tem que rastrear todos os anos e ver, e a política [é um desafio]. Existem todas essas leis que dizem que tem que ser chamado, basicamente, lixo de laboratório para ser vendido. Eles não querem que usemos o rótulo de carne bovina.”

Eu não os culpo.

O plano de Gates devastaria a América rural. Não apenas aqueles envolvidos na criação de gado de corte – e eventualmente, todas as carnes – seriam expulsos do negócio, mas os processadores de alimentos, produtores de grãos para ração, etc. Fale sobre uma mentalidade autoritária!

Mas não seriam apenas as vidas e o bem-estar dos americanos rurais. Acabar com o gado derrubaria grandes indústrias em toda a economia – da mesma forma que destruir a indústria do petróleo causaria estragos, outro objetivo dos anti-aquecimento global.

Aqui está uma citação de um ativista dos direitos dos animais do meu livro, A Rat Is a Pig Is a Dog Is a Boy: The Human Cost of the Animal Rights Movement, que ilustra o uso onipresente de subprodutos animais em vários setores da indústria e da economia:

“Hoje, o uso de produtos animais não humanos é tão diversificado e difundido que é impossível viver na sociedade moderna e não apoiar diretamente a indústria de animais não humanos. Por exemplo, o sangue de uma vaca abatida é usado para fabricar adesivos de madeira compensada, fertilizantes, espuma de extintor de incêndio e tinturas. Sua gordura ajuda a fazer plásticos, pneus, giz de cera, cosméticos, lubrificantes, sabonetes, detergentes, xarope para tosse, geleias e cremes anticoncepcionais, tinta, creme de barbear, amaciantes de roupas, borracha sintética, lubrificantes para motores a jato, têxteis, inibidores de corrosão e usinagem de metais lubrificantes.

Seu colágeno é encontrado em crostas de tortas, iogurtes, fósforos, notas de banco, papel e cola de papelão; seus intestinos são usados ​​em cordas para instrumentos musicais e raquetes; seus ossos em cinzas de carvão para refinar açúcar, em cerâmica e em compostos de limpeza e polimento. Os usos médicos e científicos são abundantes. E há muito, muito mais.”

Este é um exemplo de porque não podemos deixar “os especialistas” decidirem. Os catastróficos custos econômicos e sociais impostos pelo esquema de Gates para eliminar a flatulência bovina seriam um preço muito alto a pagar pelo benefício alcançado pela redução das emissões de gases de efeito estufa.

Interesses monetários

O Sr. Gates, que investiu em uma série de startups de ‘carne sintética’, incluindo Impossible Foods, Beyond Meat, Memphis Meats e Hampton Creek Foods, fez os seguintes comentários em uma entrevista promovendo seu novo livro ‘How to Avoid a Climate Disaster’.

No entanto, ele tem sido um forte defensor público e financeiro de alternativas vegetais e celulares à carne por vários anos, afirmando que os animais de criação têm um “grande prejuízo” no meio ambiente.

Fonte: Artigo de Wesley J. Smith, para o National Review, traduzido e adaptado pela Equipe BeefPoint.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com